Cancro do esófago: saber mais para prevenir

O cancro do esófago é duas vezes mais frequente em homens que em mulheres e é o sexto mais frequente no mundo, tendo-se registado em 2018 cerca de 572 000 novos casos, 77% dos quais no continente asiático. Em Portugal, registaram-se 706 novos casos em 2018.

O cancro do esófago pode surgir na zona superior do esófago – carcinoma de células escamosas – ou na junção entre o esófago e o estômago, designando-se adenocarcinoma. Sendo um cancro assintomático nos estádios iniciais da doença, o diagnóstico tardio, faz com que a taxa de mortalidade seja elevada.

Fatores de risco associados à alimentação e aos estilos de vida para o cancro do esófago

  • Excesso de peso e obesidade, são fatores de risco conhecidos para diversos tipos de cancro. Um índice de massa corporal elevado, com perímetro abdominal acima dos valores de referência, são fatores de risco para o adenocarcinoma do esófago.
  • Hábitos tabágicos. Fumar aumenta em 70% e 180% o risco de desenvolver adenocarcinoma do esófago e carcinoma de células escamosas respetivamente.
  • Consumo de bebidas alcoólicas.
  • Bebida Mate quando ingerida na forma tradicional da América do Sul, a elevadas temperaturas e bebida por um palhinha de metal.
  • Carnes processadas. O consumo superior a 50g/dia de carnes processadas, tais como produtos de charcutaria e salsicharia, parece estar associado a um aumento do risco para este tipo de cancro.

Que fatores reduzem o risco?

Apesar de não existir evidência científica robusta relativa aos fatores que reduzem o risco para o cancro do esófago, há alguma evidência que aponta para o papel preventivo do elevado consumo de frutas e vegetais, assim como da prática de atividade física.

Nunca é de mais relembrar as recomendações para prevenção do cancro do American Institute for Cancer Research:
– Reduza a ingestão semanal de carne vermelha para 350 – 500g (peso após confeção) e apenas ingira carnes processadas esporadicamente.

– Mantenha um peso adequado para a sua idade e estatura, limitando a ingestão de bebidas açucaradas e de alimentos ricos em açúcares de absorção rápida.

– Limite a ingestão de bebidas alcoólicas.

– Pratique um mínimo de 75 minutos de atividade física intensa ou 150 minutos de atividade física moderada por semana.

– Aumente a ingestão de alimentos ricos em fibra como cereais integrais, oleaginosas, leguminosas e ingira um mínimo diário de 5 porções de vegetais e fruta (equivalentes a 400g).

Referências: Global Cancer Observatory (http://gco.iarc.fr/), International Agency for Research on Cancer 2018. World Cancer Research Fund/American Institute for Cancer Research.Continuous Update Project Expert Report 2018.Diet, nutrition and physical activity and oesophageal cancer. Available at dietandcancerreport.org. Crédito das imagens: https://nationalpost.com

Inês Correia

Inês Almada Correia, nutricionista, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas 3684N, pós- graduada em Nutrição em Oncologia pela Universidade Católica Portuguesa. Tem colaborado com a Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL) em atividades, tais como workshops sobre alimentação direc (...)