Frutos e vegetais: consumo pela população portuguesa é baixo

O consumo elevado de alimentos de frutos e vegetais está associado à prevenção de diversas doenças crónicas. Neste contexto a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a ingestão mínima diária de 400g de frutos e vegetais. Estará a população portuguesa a cumprir estas recomendações?

O 1º Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física (IAN-AF 2015) trouxe-nos dados importantes relativos à ingestão alimentar em Portugal para por em prespetiva.

A roda dos alimentos é o guia alimentar oficial para a população portuguesa e recomenda que a distribuição diária dos alimentos seja feita da seguinte forma: 2% para gorduras; 4% leguminosas; 5% carne, pescado e ovos; 18% laticínios; 20% fruta; 23% hortícolas; 28% cereais e derivados e tubérculos.

Quando comparada a ingestão alimentar portuguesa com esta distribuição, verifica-se que a ingestão de produtos hortícolas é 9% inferior às recomendações, a ingestão de fruta é 7% inferior e a de leguminosas 2% inferior às recomendações.

O consumo médio de fruta, hortícolas e leguminosas ronda, em média, os 312 g/dia. Mais de 50% deste consumo corresponde a hortícolas, 131 g/ dia a fruta fresca e apenas 18 g/dia a leguminosas. São os adolescentes e as crianças os grupos etários que menos consomem estes alimentos, sendo o consumo de fruta fresca e hortícolas nos adolescentes de 97 g/dia e 133 g/dia respetivamente.

Quando 56% da população portuguesa não cumpre as recomendações da OMS para ingestão de 5 ou mais porções diárias de fruta e produtos hortícolas, e 72% das crianças e 78% dos adolescentes não cumpre estas recomendações, é pertinente relembrar que os bons hábitos alimentares adotados precocemente trazem benefícios para a saúde a longo prazo e estão associados a um menor ganho de peso na idade adulta.

Frutos e vegetais: como aumentar o seu consumo?

Inclua hortícolas no prato ao almoço e ao jantar. Escolha fruta fresca ou hortícolas crus nos intervalos entre refeições. Se a sua refeição incluir sobremesa, opte pela fruta. Envolva as crianças na compra, preparação e confeção das refeições para despertar a curiosidade e para que se familiarizem com os alimentos.

Referências: Lopes C, et al. Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física, IAN-AF 2015-2016: Relatório de resultados. Universidade do Porto, 2017. World Health Organization. Promoting fruit and vegetable consumption around the world. Em https://www.who.int/dietphysicalactivity/fruit/en/. Crédito das imagens: Christine Sponchia e silviarita por Pixabay

Inês Correia

Inês Almada Correia, nutricionista, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas 3684N, pós- graduada em Nutrição em Oncologia pela Universidade Católica Portuguesa. Tem colaborado com a Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL) em atividades, tais como workshops sobre alimentação direc (...)