Reuniões-caminhada: caminhar e conversar, reuniões em movimento

E se a sua próxima reunião não fosse numa sala de reuniões? E se, em vez de ir a reuniões em volta de uma mesa, que dura dezenas de minutos semanais, pudesse trocar por reuniões-caminhada? Alinhava?
Caminhar e conversar para uma reunião individual, onde não existe mais de duas pessoas, pode tornar a conversa muito mais natural e descontraída.

Esta ideia colocada em prática, contribui para prevenir doenças e promover a saúde. Isto é, combinar trabalho e exercício ao mesmo tempo.

A inatividade física está diretamente ligada ao cancro da mama e do cólon, mas também com as doenças cardíacas, a diabetes tipo 2 e a obesidade. Atualmente, a grande maioria das pessoas está sentada cerca 9,3 horas por dia, mais do que a dormir (7,7 horas). Estes argumentos serviram de base para a ideia proposta por Nilofer Merchant: as reuniões-caminhada.

De facto, uma reunião-caminhada é uma boa maneira de fazer exercício. Apenas 30 minutos de caminhada diária é suficiente para reduzir o risco de doença cardíaca, cancro da mama e cólon, e demência. O exercício aeróbio protege a função cognitiva de longo prazo, mas também fornece um estímulo para o pensamento criativo.

Caminhar parece ter uma relação especial com a criatividade. Um estudo realizado pela Stanford University, na Califórnia, descobriu que a produção criativa de uma pessoa aumentou, em média, 60% ao caminhar. O estudo concluiu que a caminhada incentiva um fluxo livre de ideias e é uma solução simples e robusta para que se cumpra os objetivos de aumentar a atividade física e a criatividade.

Nilofer Merchant é chefe-executiva de estratégia e colabora com gigantes tecnológicos como a Apple, Hewlett-Packard e Symantec. Assista à Ted Talk “ Tem uma reunião? Faça uma caminhada”.

Referências: Oppezzo, M., & Schwartz, D. L. (2014). Give your ideas some legs: The positive effect of walking on creative thinking. Journal of experimental psychology: learning, memory, and cognition40(4), 1142.