Não gosta de praticar yoga? Sabe porquê?

Existem pessoas que quando questionadas ou aconselhadas a praticar yoga, por parte de um técnico de saúde, mostram de imediato alguma resistência ou dúvida sobre a capacidade desta prática os ajudar. Curiosamente se a indicação for hidroginástica, natação, ou outra modalidade desportiva, a reação é de maior aceitação e faz mais sentido.

Quais são as razões desta atitude de desconfiança e ceticismo em relação ao yoga? Existem algumas justificativas que passo a analisar.
A minha experiência profissional diz-me que a principal razão está na opinião dada por um familiar ou amigo que já praticou e não gostou. As razões vão desde considerarem que se está muito parado, de ser demasiado intenso ou ainda de as asanas (as posturas) serem muito difíceis de executar e exigirem um nível de dificuldade que nem sempre se consegue ter nas primeiras aulas.

O mais curioso é que se forem a uma aula de ginásio, o nível de esforço é maioritariamente mais intenso. A respiração não é calma e profunda como no yoga, é uma respiração aeróbica, que não só eleva o ritmo cardíaco como em associação, os níveis de cansaço e stress, o que é encarado como um algo normal. A pergunta que surge é: porquê o preconceito com o yoga?

No ginásio aceita-se, porque há a perceção e aceitação que é assim. Mas e no yoga, não pode ser assim? Porque é que o yoga é julgado de forma depreciativa quando não corresponde às expectativas das pessoas? Qual é a justificativa para a existência de dois tipos de julgamento nas solicitações que são pedidas nas duas práticas?

Da minha parte acho sempre curioso, pelo facto de as pessoas não perceberem a diferença de atitude e uma grande parte das vezes é bem divertido perceber o percurso mental.

Outra das razões é considerarem o yoga uma atividade muito parada.
De facto, é importante ficar na postura durante algumas respirações, que dependendo do método de yoga que se prática, pode ser maior ou menor. Mas ficar parado, também não corresponde inteiramente à realidade. A realização de uma asana implica o foco total na postura e a capacidade de com a ajuda da respiração corrigir a postura e melhorá-la o mais possível de acordo com as capacidades individuais de cada praticante.

O que significa através da respiração conseguir que a postura seja dominada e percebida?
Significa que ao colocar o corpo na asana, a respiração é crucial para perceber como o corpo se pode adaptar e encarar a postura, uma mais valia de libertação de tensões físicas, incorreções posturais e também na perceção mental, de que é sempre possível ir mais longe na postura e que muitas vezes são bloqueios mentais que não nos permitem perceber como se pode ir mais além do que inconscientemente decidimos que era. Esta atitude consciente de mover o corpo é extremamente libertadora de condicionamentos mentais, mesmo na vivência da vida quotidiana.

Esta descoberta por parte do praticante contribui para a serenidade física e mental. Percebe-se também que a postura pode ser sempre corrigida, não há limites. E através de mecanismos que ainda não estão completamente estudados, o yoga leva ao aumento da autoestima, da autoaceitação, da diminuição da ansiedade, de medos e outros problemas do foro psicológico.

Procure sempre um professor certificado, para o guiar na sua prática. Fale com o professor e diga o que gostou ou não gostou e, dessa conversa, sair uma melhor adequação à prática de yoga.

Créditos da imagem: https://images.onlymyhealth.com/imported/images/2021/August/02_Aug_2021/big_yogaformemory.jpg

Alexandra Pereira, professora de yoga através da AIPYS-Asociación Internacional de Profesores de Yoga Sananda, Espanha 2000. Licenciada em Filosofia (FLUP 1988). Mestrado em Filosofia: “A filosofia do yoga: da prática a uma filosofia de vida” ( FLUP 2019) Exerce a sua actividade profissional de professora de yoga em Vidya-Academia de Yoga do Porto (Desde 2001). Dirigiu e ministrou cursos de Formação: "Curso de Professores de Yoga" (desde 2010 a 2016) e "Curso de Monitor de Yoga para técnico de SPA" (2013). Os seus atuais interesses de investigação, relacionam-se com as doenças autoimunes e cancro, e no contributo que a prática de yoga oferece para melhorar a condição física, mental e psicológica do praticante. Curso de especialização ("Yoga for Cancer Survivors" 2013). Alexandra Pereira, yoga teacher through the AIPYS-Asociación Internacional de Profesores de Yoga Sananda, Spain 2000. Specialization course ("Yoga for Cancer Survivors" 2013). Licenciate in Philosophy (FLUP 1988). Master Philosophy: “The Philosophy of Yoga: From Practice to a Philosophy of Life” (FLUP 2019) Professional activity: yoga teacher at Vidya-Academia de Yoga do Porto (since 2001). Direted and teached training Courses: "Yoga Teacher Course" (from 2010 to 2016) and "Yoga Monitor Course for SPA Technician" (2013). My current research, is relate to autoimmune diseases and cancer, and the contribution that the practice of yoga offers to improve physical, mental and psychological well-being in student.