Adoptar um estilo de vida saúdavel

Gostou? Partilhe

Cuidados Centrados nas Pessoas: o que significa?

cuidados-centrados-nas-pessoas

A abordagem de cuidados centrados nas pessoas desenvolvida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), é uma proposta para a organização dos sistemas de saúde que coloca as pessoas no centro do processo de saúde. Neste artigo exploramos o que preconiza esta abordagem e quais as suas implicações.

O que é a abordagem de cuidados centrados nas pessoas?

A construção da abordagem de cuidados centrados na pessoa surge no seguimento da mudança das tipologias de doenças que afetam as pessoas, havendo mais controlo de doenças infeciosas e maior necessidade de lidar com doenças crónicas. Por isso, a OMS entende que antes de as pessoas serem doentes, precisam de ser informadas e capacitadas para promover e proteger a sua própria saúde, tomando iniciativa no seu autocuidado. Adicionalmente, lembra que os profissionais de saúde também são pessoas. Consequentemente, os cuidados centrados nas pessoas envolvem a consideração equilibrada das necessidades, dos direitos, das responsabilidades e capacidades de todos os membros do sistema de saúde. O sistema de saúde serve todos e cresce da sua participação. Assim, os profissionais de saúde e as pessoas colaboram para a melhoria do sistema de saúde.

Como atuam os cuidados centrados nas pessoas?

A abordagem de cuidados centrados nas pessoas distingue-se do modelo biomédico de cuidados. Neste modelo o foco é a doença biológica, não havendo atenção à pessoa que a tem e às suas preocupações e necessidades. O tratamento normalmente baseia-se em medicamentos e cirurgias e o médico é tido como o especialista na saúde da pessoa. Os cuidados centrados nas pessoas põem as pessoas no centro dos serviços de saúde ao invés da doença. Eles baseiam-se nos direitos humanos e visam promover:

  • Uma cultura de cuidado e comunicação na qual as pessoas se envolvem na tomada de decisão e sentem a sua privacidade e dignidade respeitadas;
  • Serviços e instituições responsáveis e responsivos que providenciam cuidados articulados e acessíveis, baseados na evidência e considerando o holismo dos cuidados;
  • Ambientes de cuidados de saúde favoráveis com um foco nos cuidados primários e mecanismos de envolvimento das comunidades no planeamento dos serviços de saúde e desenvolvimento de políticas e feedback para a melhoria da qualidade.

Que resultados se esperam?

Atualmente, os países nos países mais desenvolvidos estão a implementar a mudança do modelo biomédico para os cuidados centrados na pessoa. Contudo, os países mais pobres ainda não parecem estar a conseguir fazê-lo. Com a adoção desta abordagem, a Organização Mundial da Saúde antevê, por exemplo, que os utilizadores dos sistemas de saúde tenham mais segurança e adiram melhor aos cuidados. Para os serviços de saúde os benefícios podem relacionar-se com a sua sustentabilidade económica e o uso adequado por parte das pessoas.

Referências: Khatri, R. B., Wolka, E., Nigatu, F., Zewdie, A., Erku, D., Endalamaw, A., & Assefa, Y. (2023). People-centred primary health care: a scoping review. BMC Primary Care, 24(1), 236. https://doi.org/10.1186/s12875-023-02194-3; World Health Organization (2014). People-centered health care: a policy framework. World Health Organization. https://www.who.int/publications/i/item/9789290613176
Fotografia por Francisco Venâncio no Unsplash
O suporte social nas redes sociais pode ter vantagens para quem enfrenta um cancro. O que pode predizer o suporte que é recebido nas redes?
O cancro não celebra as festas nem está atento ao calendário. Deixamos algumas sugestões para gerir esta época.
O cancro pode ser um desafio. Assim, ao lado dos doentes estão frequentemente os cuidadores informais. O que os leva até lá? Porque cuidamos?
Grande parte da nossa vida é passada em casa – mas o que distingue a casa de um lar? Faça uma reflexão sobre isso.