Adoptar um estilo de vida saúdavel

Gostou? Partilhe

As Festas e o cancro

as-festas-e-o-cancro

O Natal e o Ano Novo são festas às quais associamos uma boa dose tradição, a reunião de familiares e amigos e muita alegria. Contudo, para algumas pessoas esta é uma época com um enquadramento diferente e potencialmente desafiante. Entre elas encontramos as pessoas com um diagnóstico de cancro.

As Festas e o cancro

A doença não celebra as Festas nem está atenta ao calendário. Algumas pessoas têm de realizar tratamentos durante a época das Festas. Consequentemente, podem ter de viajar com vários medicamentos, ou por outro lado, ser aconselhadas a proteger-se de possíveis infeções afastando-se de encontros sociais. A vontade de conviver pode também ser menor devido ao cansaço físico e mental. Em casos mais sensíveis, a pessoa poderá manter-se hospitalizada por motivos de segurança.

Como gerir as Festas?

Os constrangimentos e as mudanças relativamente a anos anteriores podem fazer emergir emoções menos agradáveis durante o período das Festas. A tristeza, a ansiedade, a raiva podem surgir. Assim, é importante dar espaço a estas emoções, reconhecer e aceitar que elas estão a ser sentidas e tentar geri-las como for possível. Expressá-las falando com uma pessoa próxima de confiança ou com o profissional de saúde mental que o acompanha podem ser opções a considerar. Os exercícios de mindfulness, a prática da gratidão e a expressão artística (por exemplo, a escrita, o desenho, a pintura) também podem apoiar na gestão destas emoções.

Certamente haverão sugestões e comentários de familiares e amigos sobre como a pessoa doente deve viver o Natal e o Ano Novo. A resposta está sempre na pessoa com o apoio da equipa de saúde que a acompanha. Se está doente deve escolher o que é possível para as suas Festas, quais são as suas necessidades e quais os limites. É provável que não seja possível manter todas as atividades de anos anteriores. Pode ser útil comunicar sobre a sua situação previamente àqueles com quem vai estar. Alguns temas importantes a abordar podem ser: explicar o diagnóstico que tem e se quer ou não falar sobre ele nesses dias com as pessoas, o que esperar de si durante as Festas, em que atividades vai potencialmente participar, o que vai comer e onde vai ficar. Se tiver de estar mais sozinho(a) planeie atividades prazerosas para esses dias.

Fotografia por Toni Cuenca no Unsplash
Caminhar 4000 passos por dia, o equivalente a cerca de três quilómetros, pode diminuir o risco de morte por qualquer causa. informe-se!
A prática de yoga conduz o praticante a uma perceção de quem é. Conheça algumas verdades sobre o yoga e avalie os benefícios da sua prática.
Neste artigo exploramos o que é o autocuidado na saúde e na doença e quais são os fatores que podem influenciar.
O diagnóstico de uma surdez genética não-sindrómica é feito a partir de testes genéticos moleculares. Saiba mais sobre o tema.