A importância da leitura labial na audição

A leitura labial é um processo, nem sempre consciente, de complemento da comunicação. Através da leitura dos lábios é possível perceber melhor o que os outros dizem, principalmente em contextos mais críticos, como sejam locais ruidosos ou quando se fala mais baixo. Mesmo as crianças, aquando da aquisição da linguagem, aprendem naturalmente a leitura labial, integrada na aprendizagem da língua falada.

Algumas pessoas afirmam, até, que “não fazem leitura labial”, mas, em boa verdade, todas recorrem a ela, para melhor processar a informação auditiva que é recebida.

Se assim é para as pessoas que ouvem, para todas as que possuem surdez, a leitura labial é o principal meio de recolha de informação na comunicação, mesmo para utilizadores de próteses auditivas ou implantes cocleares.

Vários estudos mostram que a fala vai ativar áreas cerebrais visuais, criando interações multissensoriais. A representação cortical auditiva relaciona-se com o processamento visual da fala, sendo a evidência percetiva altamente valiosa.

Em 2012, pesquisadores do Instituto Max Planck para Cognição Humana e Ciências Cerebrais referiram a importância duma maior ativação do sulco temporal superior esquerdo, no processo da leitura labial.

Os surdos, geralmente, recorrem mais frequentemente à leitura labial, do que pessoas com audição normal, devido à maior dificuldade em captar a fala, focando mais a sua atenção na boca do falante, treinando, assim, esta competência.

Associado à leitura labial, existem estratégias para ajudar as pessoas com dificuldades auditivas a terem uma melhor perceção, como sejam:

– Falar devagar e declaradamente.

– Não aumentar o volume da voz, pois em certos contextos, pode atribuir um cariz agressivo à conversação.

– Falar de frente para a pessoa, para que esta tenha uma visão total do rosto, percebendo melhor as suas expressões faciais.

– Evitar movimentos laterais da cabeça quando se fala, pois, uma parte do texto perdida pode alterar completamente o contexto da frase.

-Fazer pequenas pausas durante a conversa, permitindo mais tempo para processamento da informação.

Nesta fase de pandemia, em que se tornou necessário o uso de máscara, a comunicação entre pessoas ficou mais dificultada, com maior relevância para o surdo.

As máscaras tradicionais adquiriram vários formatos, com tecidos e materiais diferentes, muitas delas muito imaginativas, mas com o grave problema de provocarem uma barreira ao som, além de impedirem a leitura labial e o “sorriso”. As contingências atuais implicam ainda afastamento entre as pessoas, distanciamento social,que faz com que a voz que chega ao recetor seja de menor intensidade.

Assim, é fundamental a criação de máscaras que permitam, não só a proteção, mas também uma visualização da boca facilitando o processo comunicacional. Neste sentido, o grupo de investigação em Biomecânica do INEGI-FEUP está a desenvolver um protótipo de máscara funcional, recorrendo a materiais que facilitem a respiração, que não embaciem, com eficácia protetora, que ao mesmo tempo permitam a leitura labial e o sorriso que deve ser sempre visto!

Referência: BernsteinLE,LiebenthalE: Neural pathways for visual speech perception. Front Neurosci. 8: 386,2014.DOI: 10.3389/fnins.2014.00386; Créditos da imagem:https://livingwithhearingloss.com/2016/04/19/lipreading-in-paradise/

Fernanda Gentil

Fernanda Gentil é Audiologista na Clínica ORL Dr. Eurico Almeida e Coordenadora da Widex Centros Auditivos – Porto. Licenciada em matemática aplicada – ramo de ciência de computadores, pela FCUP. Professora Adjunta do curso de Audiologia, na ESS do Porto. PhD em Ciências de Engenharia pel (...)