Surdez Súbita – um caso de urgência

A surdez súbita é uma perda repentina da audição, normalmente num ouvido, podendo, no entanto, ocorrer nos dois, em simultâneo. A maior parte das pessoas desconhece que a surdez súbita deve ser, sempre, considerada uma urgência médica.

Qualquer pessoa que a experiencie deve procurar imediatamente a ajuda de um médico otorrinolaringologista, recorrendo mesmo ao serviço de urgência. O erro mais comum é a relativização do problema, adiando a consulta, por se entender que a situação é reversível, “que logo passa”. Nada de mais errado!
É importante reter que se não houver intervenção nos dois dias após o início dos sintomas, as probabilidades de reversão começam a diminuir. O atraso no diagnóstico vai, com toda a certeza, reduzir a eficácia do respetivo tratamento.

A surdez súbita é primariamente diagnosticada a partir da história clínica do paciente e do resultado do exame auditivo, o audiograma. Se o teste auditivo mostrar uma perda de pelo menos 30 dB em três frequências seguidas, comparativamente à audição anterior, pode ser considerada surdez súbita. Podem ainda ser incluídos exames de sangue, testes de equilíbrio (Videonistagmografia ou Eletrococleografia para despiste da Doença de Ménière), ou ainda ressonância magnética.

A surdez súbita surge, muitas vezes, associada a tonturas e ainda mais vulgarmente a zumbido, ou ambos. Estas situações são as de pior prognóstico. Pode acontecer ao acordar; algumas pessoas apercebem-se quando tentam colocar o telefone num ouvido e não ouvem; outras, ainda, sentem como que um “estouro” no ouvido, imediatamente antes de deixarem de ouvir.

A maior parte das pessoas que recorre a tratamento médico otorrinolaringológico logo após a incidência, recupera na totalidade (ou quase) a sua audição. A recuperação será tanto pior quanto maior for a perda instalada, por adiamento da procura de ajuda. Se esta só ocorrer ao fim de uma ou duas semanas, o resultado poderá ser desolador, tornando-se uma situação irreversível.

Relativamente às causas, as explicações mais frequentes referem má vascularização do ouvido interno (insuficiência vascular, embolia ou trombose) ou infeção viral (mais comum o herpes simplex). Outras causas apontam para doenças infeciosas, meningite bacteriana, doenças autoimunes (ex.: síndrome de Cogan), doença de Ménière, doença de Lyme, ototoxicidade por fármacos (que danificam as células ciliadas do ouvido interno), distúrbios metabólicos como a diabetes, ou ainda distúrbios neurológicos, como esclerose múltipla. Pode, ainda, ser de causa desconhecida. Esta situação ocorre com mais frequência em adultos entre os 40 e 50 anos, sendo ambos os sexos igualmente afetados.

O tratamento mais comum para a surdez súbita, em particular quando a causa é desconhecida, são os corticosteroides. No entanto, se se souber a causa, será mais fácil prescrever medicação específica, tendo em conta a etiologia, (antibiótico se for causado por uma infeção bacteriana ou direcionadas ao sistema imunológico, por exemplo). A evolução da situação auditiva deve ser monitorizada através de sucessivos audiogramas. Se a audição não se restabelecer, há que ponderar a sua reabilitação através de aparelhos auditivos ou mesmo implante coclear.

O mais importante é estarmos alerta para a ocorrência da surdez súbita, sabendo que é essencial que se procure ajuda médica com a maior brevidade possível.

Referência:Stachler RJ, Chandrasekhar SS, Archer SM, et al: Clinical practice guideline: Sudden hearing loss. Otolaryngol Head Neck Surg 146(3 Supl): S1–35, 2012. doi: 10.1177/0194599812436449.; Créditos da imagem: https://miro.medium.com/max/300/1*EmlbJ0e0bY8OOAgQSfLGyg.jpeg

Fernanda Gentil é Audiologista na Clínica ORL Dr. Eurico Almeida e Coordenadora da Widex Centros Auditivos – Porto. Licenciada em matemática aplicada – ramo de ciência de computadores, pela FCUP. Professora Adjunta do curso de Audiologia, na ESS do Porto. PhD em Ciências de Engenharia pela FEUP. Investigadora e orientadora de teses de Mestrado e Doutoramento, na FEUP. Os seus principais interesses relacionam-se com a Audiologia e Reabilitação Auditiva, assim como simulações matemáticas de modelos computacionais do ouvido. Fernanda Gentil is Audiologist at the ORL Clinic Dr. Eurico Almeida and Coordinator of Widex-Porto. Degree in Applied Mathematics - Computer Science, FCUP. Audiology Professor at ESS, Porto. PhD in Engineering Sciences, FEUP. Researcher and advisor of Master's and PhD theses at FEUP. His main interests are related to Audiology and Auditory Rehabilitation, as well as mathematical simulations of computational models of the ear.