Gorduras trans proibidas! Que produtos ainda as têm?

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter

As gorduras trans não são seguras para a saúde humana e, não devem estar presentes nos alimentos que comemos, anunciou a Food and Drug Administration (FDA) em 2013. A agência pretende limitar significativamente, ou mesmo proibir, a utilização destas gorduras nos produtos alimentares nos EUA. Depois de rever estudos científicos acerca das gorduras trans, a FDA determinou que os óleos parcialmente hidrogenados não são considerados seguros.

O que são gorduras trans?

São um subproduto dos óleos parcialmente hidrogenados (PHOs). Ao se adicionarem átomos de hidrogénio ao óleo, sob certas condições, é possível transformar óleos líquidos em qualquer saturação ou espessura que se deseje. Os óleos parcialmente hidrogenados tornaram-se populares nos anos 50, porque dão aos alimentos sabor e textura. As gorduras trans surgiram como uma forma de aumentar o tempo de vida útil dos alimentos processados, como pães, margarinas, gelados, biscoitos, bolos, tortas, salgadinhos, pipocas de micro-ondas.

Hoje sabe-se que as gorduras trans podem causar problemas de saúde, como a doença coronária, potenciando a formação de placas de gordura nas artérias, capazes de originar um ataque cardíaco. O Institute of Medicine concluiu, inclusivamente, que não existe nenhum benefício conhecido, fornecido pelas gorduras trans, para a saúde humana e que não existe um nível de consumo seguro para este tipo de gorduras.

Muitas empresas já excluíram as gorduras trans dos seus produtos alimentares. No entanto, e de acordo com a FDA, ainda existem muitos produtos do setor alimentar que dependem das gorduras trans.

A lista seguinte, apresenta alguns produtos que necessitam de abolir as gorduras trans e como irão ficar diferentes na perspetiva dos especialistas:

  • Donuts: Sem gorduras trans podem tornar-se mais oleosos. Muitas sobremesas, como biscoitos, bolos e donuts, dependem das gorduras trans para terem uma textura mais leve. “Só os óleos parcialmente hidrogenados podem fazer parte da matriz, sem se dispersam para fora do alimento”, diz Kantha Shelke, porta-voz do Institute of Food Technologists (IFT).
  • Bolachas tipo Crackers: As gorduras trans poderão ser substituídas por óleo de soja ou de canola.
  • Pipocas do cinema ou de micro-ondas: As pipocas geralmente têm gorduras trans. Segundo Kristin Kirkpatrick, nutricionista na Cleveland Clinic nos EUA, a manteiga provavelmente poderá substituir as gorduras trans, mantendo o sabor das pipocas.
  • Pizza congelada: Qualquer alimento congelado com muitos ingredientes poderá conter gorduras trans. Substituí-las por óleos vegetais pode ser uma solução. Mas, alguns especialistas preocupam-se com a necessidade de terem que ser adicionados outros aditivos, para se alcançarem as mesmas características de preservação que as gorduras trans proporcionam. “Será que realmente precisamos ter na dispensa produtos alimentares que durem três anos?”, diz Kirkpatrick.
  • Produtos de massa refrigerados: “Provavelmente vamos assistir a um aumento do uso de óleo de canola, pois sabe-se que tem alguns benefícios, “, diz Kirkpatrick, sobre os biscoitos prontos a cozinhar e pães de canela.
  • Glacé pronto a utilizar: Os ácidos gordos trans podem ser substituídos por banha de porco ou por óleos vegetais.

A preocupação de muitos médicos e especialistas da saúde, é tentar perceber o que irá a indústria alimentar inventar para substituir as gorduras trans? “Há outras formas de manipular a gordura e, nós temos que ter cuidado para não ficarmos com outra má invenção”, refere David Katz, médico e diretor do Yale University’s Prevention Research Center.

Entretanto, até as medidas serem implementadas, os consumidores podem fazer escolhas saudáveis verificando os níveis de gordura trans nos rótulos nutricionais dos alimentos, evitando os que as contêm. Aliás, atualmente já existem muitas marcas, sem gorduras trans.

Fontes: Texto adaptado da revista online Time Magazine, novembro de 2013 em: http://healthland.time.com/2013/11/07/7-foods-that-wont-be-the-same-if-trans-fats-are-banned/

Cristina Ferrão

Sobre Cristina Ferrão

Cristina Ferrão é licenciada em Nutrição Humana e Qualidade Alimentar na Escola Superior Agrária de Castelo Branco. Acredita na divulgação do conhecimento com bases científicas, como meio de promover a saúde e ajudar a população a adotar um estilo de vida saudável.