A diarreia como possível consequência da quimioterapia e da radioterapia: como ultrapassar?

Share on Facebook0Share on Google+1Tweet about this on Twitter

home-diarreiaComo temos visto, os tratamentos oncológicos podem originar vários efeitos secundários. A diarreia é um deles, sendo considerada mais do que três dejeções diárias de fezes semilíquidas ou mesmo líquidas, atingindo cerca de 75% dos doentes sujeitos a quimioterapia ou radioterapia.

Nos doentes em quimioterapia, o aparecimento da diarreia vai depender do químico administrado e da dose e da frequência de administração. No que diz respeito à radioterapia, vai depender de uma série de fatores, entre eles, a região sujeita à radiação, os tecidos/órgãos incluídos nessa área, a dose total da radiação a administrar, o fracionamento da dose total, o nível de energia da radiação e a suscetibilidade individual, a qual depende da idade e do estado geral de saúde. No caso dos doentes com cancros ginecológicos, urogenitais e retais sujeitos a radioterapia pélvica, mais de 70% desenvolvem sintomas gastrintestinais agudos durante o tratamento, dentre eles, a diarreia. Todavia, em 6-78% destes doentes, este sintoma poderá ser crónico, afetando muito a qualidade de vida mesmo após o tratamento.

Como fazer face à diarreia

Se não for controlada, a diarreia pode levar à perda de líquidos e sais minerais e, nos casos mais graves, à desidratação, já para não falar no prejuízo na qualidade de vida dos doentes. Assim, há certas medidas para o controlo desta situação:

  • Tomar a medicação para controlo da diarreia prescrita pelo médico
  • Reforçar os cuidados de higiene e cuidados locais (se existir irritação)
  • Reforçar a ingestão de líquidos (2 a 3 litros por dia):
    • Preferir a água (pode variar com tisanas de camomila, cidreira, tília, hortelã, etc.)
    • Beber sumo de fruta cozida (maçã ou pêra), sumos de cenoura ou banana, águas minerais sódicas pouco gaseificadas (ricas em potássio e sódio, os quais são perdidos com a diarreia)
    • Rejeite o café, o chá preto, os refrigerantes com gás e as bebidas alcoólicas
    • A gelatina é outra forma de hidratação
    • Evitar o leite ou tomar leite sem lactose (disponível em farmácias e nos supermercados). Normalmente, o iogurte é bem tolerado
    • Optar por alimentos com baixo teor de fibras (arroz, massas, pão de trigo, batatas, caldos e purés de cenoura)
    • Evitar alimentos ricos em fibras (brócolos, milho, couves, ervilhas, etc) e alimentos que provoquem gases (feijões, cebola, etc)
    • Quanto à fruta, optar por bananas e fruta em calda. Outra fruta deve ser cozida, sem açúcar e sem casca, rejeitando as frutas e os vegetais crus
    • Optar por refeições pobres em gordura e pouco condimentadas (galinha ou perú cozido, sem pele ou em caldo, peixe cozido, etc). A sopa deverá ser preparada apenas com arroz, cenoura e batata.

Como sugestão, o doente com diarreia poderá ingerir o preparado composto pelos seguintes ingredientes, auxiliando na rehidratação e compensação dos minerais perdidos:

  • 1 litro de água
  • 2 chávenas de sumo concentrado (de acordo com a preferência)
  • 1 colher de sopa de açúcar
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 colher de chá de bicarbonato de sódio
Gami B, Harrington K, Blake P, Dearnaley D, Tait D, Davies J, et al. How patients manage gastrointestinal symptoms after pelvic radiotherapy. Aliment Pharmacol Ther. 2003; 18: 987–994.
Holmes S. Radiotherapy. 1st Edition. London: The Lisa Sainsbury Foundation, 1988.
Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil do Porto. Quimioterapia: Guia de Orientação. IPO – Porto. 2012.
Dina Raquel João

Sobre Dina Raquel João

Dina Raquel João, nutricionista é mestre em nutrição clínica pela Universidade do Porto. Além da atividade de docência, exerce nutrição clínica em regime de clínica privada e dedica-se sobretudo à intervenção nutricional no doente oncológico.