Cultive, prove e aprove a rúcula!

Diariamente surgem incentivos, por exemplo através de vários meios de comunicação social, para que se faça uma alimentação completa, equilibrada e variada: três palavras que definem claramente o que é uma alimentação saudável. Contudo, das três características, aquela que provavelmente pode ser a mais difícil de executar para a maioria das pessoas é fazer uma alimentação variada e que, ao mesmo tempo, seja económica. Atualmente é talvez o maior desafio para todos nós.

Para variar os vegetais nas saladas, “+ Saúde por Metro Quadrado” lança-lhe um novo desafio: cultivar rúcula. Assim, pode substituir a tradicional alface e tomate ou cenoura sem pagar nada.

A rúcula está na moda. Repare: foi uma planta originária do sul da Europa e do  sudoeste asiático, muito utilizada desde a antiguidade pelos povos do mediterrâneo e agora volta novamente a merecer destaque nas saladas dos chefs e nas prateleiras gourmet de algumas superfícies comerciais.
Aqui, recomendamos que a cultive, para depois a usar as suas folhas frescas nas saladas. É que ficam mais ricas!

A rúcula é uma planta anual, de estação fresca, de cor verde, com folhas profundamente simples e com recorte.
A rúcula pode começar a tomar flor (o termo técnico é espigamento) e isso ocorre em condições de temperatura elevada, acima dos 30 graus, em dias longos.

É um hortícola de fácil plantação. Quer ver? Siga-nos:

  • Pode instalá-la na terra tanto por sementeira direta como por transplantação, ainda que para esta época do ano seja preferível fazer por transplantação. A sementeira direta é mais recomendada para o final do inverno ou no início da primavera;
  • É uma cultura de ciclo curto de 60 a 90 dias;
  • Plante com um espaço ou intervalo de 15 cm. Assim em cada vaso, vão nascer três rúculas. Se escolher plantar um metro quadrado ou o seu equivalente com 10 vasos (medidas de 52x20x18 cm), poderá alcançar um total de 30 rúculas;
  • A colheita tem início 20 a 30 dias após a plantação e efetua-se cortando a parte aérea da planta a cerca de 2 cm do solo. A planta emite novas folhas que podem dar origem a uma nova colheita; Recomenda-se a rega pela manhã e ao fim da tarde. A quantidade de água vai depender da necessidade que a terra apresentar. Se estiver demasiado seca regue todos os dias.

A rúcula, para além da sua riqueza em diversos minerais, vitaminas, fibras e alguns fitoquímicos, é essencialmente água: em 100 gramas de rúcula, 91,7 gramas do seu peso são moléculas de água. O que mostra claramente que o consumo deste hortícola é um contributo para o equilíbrio hídrico do nosso corpo.

Com esta facilidade em cultivar, pense na qualidade nutricional que irá obter com este vegetal para o seu bem-estar físico e psicológico.

Cultivar hortícolas é cuidar da terra, de si e da sua família. É uma forma de estar mais perto da natureza, de compreender o seu valor e, de alguma forma, sempre pratica algum exercício físico. Cultive, prove e aprove.

 

Referencias: Alberto Gardé, Nydia Gardé. Culturas Hortícolas Nova Colecção Técnica Agrária. Vol. I. Lisboa: Clássica Editora, 1988.;Almeida, Domingos. Manual de Culturas Hortícolas. Vol. II. Lisboa: Editoral Presença, 2006.; http://www.athena.biblioteca.unesp.br/exlibris/bd/bla/33004064014P0/2005/purquerio_lfv_dr_botfca.pdf; http://stopcancerportugal.com/2012/04/06/rucula-sair-da-monotonia/

Catarina Santos

Catarina Santos, natural de Alpedrinha (Fundão), licenciada em Nutrição Humana e Qualidade Alimentar (ESACB-2012), atualmente, frequenta a licenciatura de Dietética na Escola Superior de Saúde de Leiria. Interessa-se pela área das Tecnologias de Produção Animal e Vegetal e pela Nutrição ma (...)