Inteligência Emocional

Share on Facebook59Share on Google+0Tweet about this on Twitter0

Inteligência Emocional

Durante vários séculos, a tradição filosófica clássica apoiou a ideia de que os estados afectivos tinham um carácter devastador sobre a razão, mas a ciência, principalmente nos últimos anos tem comprovado que as emoções têm um papel decisivo para o nosso bem-estar e a nossa sobrevivência.

Existem várias definições de inteligência emocional, mas uma das que tem mais consenso é a definição segundo Mayer, em que a inteligência emocional consiste na interacção entre a emoção e a cognição e tem uma função útil, adaptativa, ao nosso bem-estar.

A inteligência emocional envolve quatro postulados:

  1. a percepção da emoção em si e dos outros
  2. o uso da emoção para facilitar decisões
  3. o entendimento da emoção
  4. a regulação entre a emoção em si e nos outros

Em suma, a inteligência emocional consiste numa espécie de auto-consciência emocional, constituída por várias capacidades ou características que actuam, na utilização e regulação das emoções, nas relações interpessoais, na resolução de problemas, stress e tolerância.

Os indivíduos que possuem índices elevados de inteligência emocional, apresentam  maior capacidade de reconhecer os seus estados emocionais, um maior grau de satisfação nas suas vidas, menor ansiedade e psicossomatização, e uma maior percepção de bem-estar. Para além do que acabei de referir, estes indivíduos manifestam maiores níveis de vigor e energia nas  suas actividades profissionais, assim como,  forte entusiasmo, dedicação, concentração e persistência nas tarefas que realizam.

A explicação deve-se ao facto de haver uma maior funcionalidade psico-social: maior apoio social, maior satisfação do suporte social e optimismo. Relativamente à doença, estes factores psico-sociais acabam por servir de “amortecedor” e assim fazer com que haja por parte destes indivíduos uma maior adesão aos comportamentos saudáveis e ao tratamento médico.

Fonte:  Schutte, N. S., J. M. Malouff, et al. (2007). “A meta-analytic investigation of the relationship between emotional intelligence and health.” Personality and Invididual Differences 42: 921-933.

André Louro

Sobre André Louro

André Louro é especializado na área da psicologia da saúde. Doutor pela Universidade Autónoma de Barcelona. Colaborou no Stop Cancer Portugal até Abril de 2013 com a rubrica "Espaço Psi".