Bravo de Esmolfe

Maçã Bravo de EsmolfeA maçã é um fruto cada vez mais conceituado, no que diz respeito à filosofia da promoção da saúde através da nutrição. As propriedades benéficas da maçã estão demonstradas em estudos científicos de diferentes áreas da medicina: no controlo do peso, na diabetes, na saúde cardiovascular, na melhoria das funções respiratória e da memória e, claro, na protecção contra o cancro.

É a combinação dos nutrientes da maçã, a vitamina C, o ácido málico, a fibra e a pectina, em conjunto com diferentes fitoquímicos, que fornece diversos efeitos protectores. Em estudos laboratoriais, o teor de fitoquímicos varia entre as diferentes espécies de maçãs, estando em maioria os flavonóides, com uma concentração média de quercetina na ordem dos 13,2 mg, a procianidina B com 9,35 mg, o ácido clorogênico com 9,02 mg e a epicatequina com 8,65 mg, por 100 gramas de fruta. A pele da maçã tem um contributo muito significativo destes compostos, comparativamente com a sua polpa.

Mas o tempo de armazenagem no frio pode afectar a actividade biológica e reduzir os efeitos anticancerígenos dos fitoquímicos presentes. Por isso, as maçãs de origem nacional têm vantagens sobre este aspecto.

No mundo inteiro contam-se pelo menos 7500 espécies de maçãs de diferentes regiões, em climas temperados e subtropicais.

Bravo de Esmolfe é uma maçã portuguesa, originária de, e já se está mesmo a ver, da aldeia de Esmolfe em Penalva do Castelo, Beira Alta.

Além de ser portuguesa, o que tem esta maçã de tão especial?

Um estudo português confirmou a presença de compostos fenólicos na maçã Bravo de Esmolfe e caracterizou o seu perfil fitoquímico. É um trio de flavonóides: catequina, epicatequina e procianidina.

Diversos estudos têm evidenciado os efeitos benéficos destes flavonóides no controlo das múltiplas vias do desenvolvimento do cancro como a bioactivação carcinogénica, sinalização celular, regulação do ciclo celular, angiogénese, stress oxidativo, inflamação, podendo, assim, reduzir o risco de cancro da mama, do estômago e do pulmão.

Como são portuguesas, das Beiras, as maçãs Bravo de Esmolfe não demoram muito a chegar a qualquer mercado de frescos e não precisam de processos de armazenamento longos. Podem assim ser consumidas quase que como acabadas de colher.

Agora é da sua conta: uma maçã por dia não pode faltar! E, se não for ao lanche, não se esqueça, é ao jantar.

Margarida Vieira

Margarida Vieira, nutricionista, licenciada em Ciências da Nutrição (FCNAUP-1991), mestre em Nutrição Clínica (ISCSEM-2008). Doutorada em Estudos da Criança, na especialidade de saúde infantil pela Universidade do Minho. Membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas com a cédula profissional n (...)