Adoptar um estilo de vida saúdavel

Gostou? Partilhe

Uns pelos outros na comunicação no cancro

comunicacao-no-cancro

Basta haver duas pessoas numa sala vazia para existir comunicação. Mesmo sem usar palavras estamos a comunicar. As mensagens que transmitimos nem sempre vão de encontro àquilo que queremos passar, mas somos responsáveis por tentar que o façam. Na relação entre o cuidador informal e a pessoa com cancro devemos agir uns pelos outros tentando que a comunicação ocorra eficazmente para assegurar, dentro do possível, o bem-estar de ambas as partes, por isso deixamos algumas sugestões.

A comunicação é mais do que simplesmente a passagem de mensagens entre pessoas. Ela pode ser definida como todos os elementos observáveis na interação humana . Consequentemente, abarca todas as formas de passar informação, a linguagem verbal (palavras, frases) a linguagem não verbal, e os comportamentos (o que escolhemos vestir, a louça que deixamos empilhada para que outra pessoa a arrume). A comunicação influencia e é influenciada pela forma como nos relacionamos.

Uma  relação define-se pela interação duradoura e repetida ao longo do tempo entre duas pessoas. Contudo, as relações que estabelecemos uns com os outros têm diferentes estatutos. Assim, elas podem ser de vinculação, implicando segurança mútua, como as relações românticas, relação parental, relação com um elemento mais velho, ou afiliações caracterizadas pela aliança, como a amizade, relações de trabalho, e parentesco. O tipo de relação que estabelecemos desenha a comunicação que adotamos com as pessoas. Tipicamente, a relação entre um cuidador informal e uma pessoa com cancro é de proximidade relacional (cônjuges, filhos ou irmãos). Logo, este estatuto pode interferir na comunicação entre ambos, quer seja favoravelmente numa postura de partilha, ou desfavoravelmente numa postura de medo que a outra parte se aborreça, ou fique triste ou zangada.

Sugestões que podem facilitar a comunicação

Temos de ser uns pelos outros na comunicação numa experiência de cancro para tentar que esta decorra com sucesso. Além de temas mais triviais do dia-a-dia (e.g., onde ir jantar), a comunicação entre uma pessoa cuidada e um cuidador pode ser mais desafiante por envolver tópicos delicados ligados ao diagnóstico e tratamento da doença e à partilha de estados emocionais desagradáveis entre ambos.

Assim, podemos acautelar as seguintes sugestões quando comunicamos:

  • Pensar na mensagem que queremos transmitir
  • Sentir o que a mensagem ativa emocionalmente em nós e possivelmente na outra pessoa (alegria, raiva, medo, …)
  • Avaliar se é necessário gerir a nossa emoção quando passar a mensagem (evitar falar alto)
  • Avaliar qual o momento mais adequado para passar a mensagem – por exemplo , e sei que depois de um tratamento a pessoa doente está cansada pode ser melhor escolher outro momento
  • Escutar o que a outra pessoa tem para dizer, o tom de voz que usa
  • Observar a linguagem não verbal da outra pessoa, se  indica que está tensa, relaxada
  • Falar de forma clara com uma linguagem que a pessoa perceba
  • Esclarecer o que dizemos e o que nos disseram – reformular o seu discurso e pedir validação.
Referências: Reis, H. T. (2001). Relationship experiences and emotional wellbeing. In C. D. Ryff & B. H. Singer (Eds.), Emotion, Social Relationships and Health (pp. 57–95). Oxford University Press.; Watzlawick, P., & Beavin, J. (1967). Some formal aspects of communication. American Behavioral Scientist, 10(8), 4-8. https://doi.org/10.1177/0002764201000802;Weiss, R. S. (1998). A taxonomy of relationships. Journal of Social and Personal Relationships, 15(5), 671–683. https://doi.org/10.1177/0265407598155006
Fotografia por Kelly Sikkema  no Unsplash
A abordagem de cuidados centrados nas pessoas é uma proposta para a organização dos sistemas de saúde da OMS. Conheça o que a caracteriza.
O suporte social nas redes sociais pode ter vantagens para quem enfrenta um cancro. O que pode predizer o suporte que é recebido nas redes?
O cancro não celebra as festas nem está atento ao calendário. Deixamos algumas sugestões para gerir esta época.
O cancro pode ser um desafio. Assim, ao lado dos doentes estão frequentemente os cuidadores informais. O que os leva até lá? Porque cuidamos?