Aprendizagem dos flavores na infância: a importância do período pré e pós natal

Flavores no período pré e pós natalPor não existir uma tradução e tendo em conta que flavores é diferente de sabores, segundo a  International Organization for Standardization (ISO) um flavor é uma combinação complexa de sensações: olfato, sabor e perceção sensitiva através do nervo trigémeo durante a “degustação”.

O flavor de um alimento ou outra substância é determinado principalmente pelos sentidos químicos do paladar e do olfato. Os “sentidos trigeminais”, que detetam irritantes químicos na boca e na garganta, assim como a temperatura e textura, são também muito importantes para a perceção do sabor.

Dos três sentidos químicos, o olfato é o principal determinante do sabor do alimento. Enquanto o sabor dos alimentos é limitado a doce, azedo, amargo, salgado, saboroso, pungente, picante e metálico (os sete sabores básicos), as sensações provocadas pelo cheiro de um alimento são potencialmente ilimitadas.

Desde há muito tempo se sabe que as experiências maternas durante a gravidez e lactação, em stress ou situações traumáticas como são por exemplo as carências alimentares, causam alterações físicas ou mentais na criança.

Poucos dias após o nascimento, o bebé reconhece o odor do próprio líquido amniótico, o que sugere que as experiências sensoriais pré-natais podem influenciar comportamentos e preferências do recém-nascido. Além disso, o ambiente a partir do qual o recém-nascido veio, o âmnio, contém compostos derivados de sabores dos alimentos ingeridos pela mãe enquanto grávida.

Foi neste sentido que Mennella e Beauchamp se propuseram estudar, em seres humanos, a seguinte questão: poderão as experiências de flavores pré-natais influenciar as respostas aos sabores/flavores para alimentos sólidos, no período pós-natal?

A pesquisa revelou que o leite humano não é um alimento de sabores invariáveis, mas que oferece o potencial para diferentes experiências sensoriais para o bebé. Uma grande variedade de produtos voláteis ou ingeridos pela mãe, como por exemplo, o álcool, o alho, a hortelã, queijo, baunilha, cenoura ou o tabaco, são transmitidos para o leite materno.

Quer o líquido amniótico quer o leite materno, apresentam um traço comum no sabor com os alimentos consumidos pela mãe, o que sugere que o leite materno pode reforçar as experiências com sabores no útero, e facilitar a transição para alimentos sólidos.

Os tipos e intensidade de sabores experimentados no leite materno pode ser único para cada criança e servem para identificar a cultura alimentar na qual a criança nasce.

Referencias: Shankar, Maya U.; Levitan, Carmel A.; Spence, Charles.  Grape expectations: The role of cognitive influences in color–flavor interactions. Consciousness and Cognition. 2010, 19 (1)pp. 380–90; Julie A. Mennella, Coren P. Jagnow, Gary K. Beauchamp. Prenatal and Postnatal Flavor Learning by Human Infants. PEDIATRICS. 2001, 107 (6) pp. e88. Association for psychological science – Flavor Learning in Utero and Infancy. Linda Bartoshuk, 2013.

Marisa Figueiredo, nutricionista licenciada em Ciências da Nutrição e mestre em Nutrição Clínica, pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz, iniciou atividade clínica em 2004. É doutoranda na Faculdade de Medicina de Lisboa no curso de Doenças Metabólicas e de Comportamento Alimentar. Desenvolve atividade docente desde 2007 e colabora frequentemente em ações de divulgação na promoção da saúde e prevenção das doenças crónicas. Dedica o seu trabalho à nutrição clínica, no adulto e na criança, com particular interesse pela alimentação e saúde infantil. Acredita que o seu trabalho deve assentar essencialmente na mudança de atitudes face a comportamentos que possam pôr em risco a saúde. A estratégia adoptada passa por fazer chegar a mensagem aos pais e seus educandos. A prevenção começa in útero. Colaboradora do Stop Cancer Portugal desde Janeiro de 2013. Por indicação do autor, os seus textos não obedecem ao novo acordo ortográfico.     Marisa Figueiredo is a nutritionist, graduated in Nutritional Sciences and has a Master degree in Clinical Nutrition of the Institute of Health Sciences Egas Moniz. Started her clinical activity in 2004. She is a PhD student in Metabolic Diseases and Feeding Behavior at the School of Medicine of Lisbon. Develops teaching activity since 2007 and collaborates frequently in actions and workshops for promoting health and preventing chronic diseases. His work is dedicated to clinical nutrition in adults and children, with particular interest in child´s health and nutrition. She believes that her work should be based on attitudes and behaviours’ changing and prevention begins in utero. Collaborates in Stop Cancer Portugal since January 2013.