Prevenir? Yes, we can

prevenir

A Eslovénia, durante a sua Presidência do Conselho da União Europeia no primeiro semestre de 2008, fomentou o debate sobre o cancro ao nível europeu. Para tal organizou debates e workshops com os especialistas na área, que elaboraram propostas tendo por base os 4 pilares do tratamento do cancro: a prevenção primária, a prevenção secundária (rastreios), o cuidado centrado no paciente e a investigação.

Qual o objectivo dessas medidas? Diminuir a incidência de cancro na União Europeia (UE). A UE alberga apenas 12,5% da população mundial, no entanto, de todos os cancros diagnosticados mundialmente, 25% correspondem a pacientes de países da UE. As previsões para as próximas décadas são de um aumento de casos de cancro e uma sobrecarga dos serviços de saúde, que poderão não estar preparados para esse aumento.

Voltando aos 4 pilares, os últimos 3 estão mais dependentes de decisões dos Governantes, do trabalho de associações de utilidade pública e investigadores… Já o primeiro, a prevenção primária, depende unicamente de cada um de nós, dos nossos estilos de vida, das nossas decisões enquanto consumidores. Se acha que prevenir o cancro em geral é complicado, veja antes as orientações dos especialistas:

– Não fume;
– Evite o excesso de peso;
– Pratique actividades físicas todos os dias;
– Aumente a ingestão e a variedade de frutas e legumes, diminua o consumo de gorduras de origem animal;
– Modere o consumo de bebidas alcoólicas;
– Diminua a exposição aos raios solares, especialmente as crianças, adolescentes e pessoas com pele com tendência a “queimar” mesmo com protecção.

Nestes últimos dias muito se falou da cimeira da NATO em Portugal e do Presidente Barack Obama. Na sua candidatura a frase “Yes, we can” ficou célebre e que se aplica na íntegra às 6 orientações. Prevenir? Yes, we can!

Fonte: Institute of Public Health of the Republic of Slovenia – Fighting against cancer today : a policy summary

Miguel Oliveira, natural de Braga, licenciado em Enfermagem pela Escola Superior de Enfermagem de Calouste Gulbenkian – Universidade do Minho (2007), com passagem por Itália na área oncológica ao abrigo do programa de intercâmbio Europeu ERASMUS. Formador com CAP (2008), Pós-Graduado em Neuropsicologia de Intervenção pelo CRIAP/Associação Portuguesa de Neuropsicologia (2010). Colaborou no IEFP como formador. Iniciou a atividade de enfermagem em 2008 num hospital oncológico em Portugal, atualmente exerce a profissão no Reino Unido. Colaborou em vários projetos relacionados com a prevenção primária e apoio a doentes com cancro colo-rectal e seus familiares (Europacolon Portugal). Membro ativo na Associação de Enfermagem Oncológica Portuguesa, atualmente colaborador no Workgroup Dor. Por indicação do autor, os seus textos não obedecem ao novo acordo ortográfico.     Miguel Oliveira, born in Braga, Portugal, completed the Nursing License Degree at Calouste Gulbenkian Superior Nursing School, University of Minho (2007), with oncology experience in Italy under the European student exchange program ERASMUS. Former certified by IEFP (2008), completed the Post-Graduate Degree in Neuropsychology Intervention at CRIAP/ Portuguese Society of Neuropsychology (2010). Collaborated with IEFP as a former. Started as a Nurse Staff in 2008 in a cancer hospital in Portugal, at the moment is a Registered Nurse working in the UK. Collaborated in several projects dedicated to cancer primary prevention and support to colorectal cancer patients and its family (Europacolon Portugal). Active member of the Portuguese Association of Oncology Nursing, at the moment collaborates with the Pain Workgroup.