Ganhar (defesas) a feijões

 

Tipos-de-feijaoFrade, preto, vermelho, branco, manteiga, qualquer uma das variedades é feijão, uma leguminosa com características nutricionais únicas, que deve estar presente todos os dias em pelo menos uma das refeições: ao almoço ou ao jantar.

Pode inseri-los na sopa, como complemento básico para acompanhar carnes, peixes, moluscos, mariscos ou então incluí-los em saladas e outros pratos de vegetais.

O feijão é um alimento extremamente concentrado, mas é 100% natural. Contém pouca água mas, em contrapartida, tem um arsenal de nutrientes indispensáveis para que a alimentação diária seja completa.

É uma excelente fonte de proteína para a formação de novos tecidos e ajuda a manter os níveis de energia e vitalidade. Com uma quantidade de fibra significativa (25 gramas em 100 de feijão) permite o bom funcionamento do tubo digestivo, facilita a digestão e ajuda a manter o colesterol baixo.

É rico em vitaminas do complexo B (principalmente B1,B3,B5), em manganésio, cobre, ferro e potássio, mas as suas quantidades variam com o tipo de feijão.

Os estudos bioquímicos demonstram que o conteúdo em fitoquímicos, no feijão, está dependente da sua variedade. Assim, podem conter flavonóides, flavonóis, antocianidinas, isoflavonas e alguns ácidos fenólicos em proporções diferentes, conforme a variedade. No entanto, os ácidos fenólicos estão presentes em todas as variedades de feijão representados pela família dos ácidos hidroxicinámicos. São eles o ácido ferúlico, p-cumárico, cafeico e sinápico.

Já há evidência científica dos efeitos destes ácidos na defesa do organismo contra a carcinogénese, além da actividade anti-fungicida, anti-bacteriana, anti-inflamatória e antioxidante.

Se não gosta de perder, nem a feijões, então ganhe com eles defesas para ser saudável.

FA, Graça MES. Tabela da Composição dos Alimentos Portugueses. 1963; Kuenzig, W., Chau, J., Norkus, E., Holowaschenko, H., Newmark, H., Mergens, W., & Conney, A. H. (1984). Caffeic and ferulic acid as blockers of nitrosamine formation. Carcinogenesis, 5(3), 309-313.

Margarida Vieira, nutricionista, licenciada em Ciências da Nutrição (FCNAUP-1991), mestre em Nutrição Clínica (ISCSEM-2008). Doutorada em Estudos da Criança, na especialidade de saúde infantil pela Universidade do Minho. Membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas com a cédula profissional nº 0052N. Investigadora na Fundação para a Ciência e Tecnologia (2011-2015). Membro do Centro de Investigação em Estudos da Criança – CIEC. Desenvolve a sua atividade na Investigação e na área da Nutrição Clínica. É autora e coordenadora de projectos de prevenção primária na área da saúde, bem como na organização e dinamização de seminários sobre hábitos alimentares saudáveis, predominantemente em ambiente escolar. Os seus atuais interesses de investigação, são no domínio da promoção e da comunicação para a saúde, na prevenção do cancro e de outras doenças crónicas. Responsável pela conceção e coordenação de campanhas para a prevenção do cancro. Trabalhou no Marketing Farmacêutico e especializou-se em Gestão e Comunicação da Marca (IPAM – 2003). Autora e fundadora do Stop Cancer Portugal, adotar um estilo de vida saudável. Usa o novo acordo ortográfico. Margarida Vieira, nutritionist, is PhD in Child Studies of the University of Minho. Member collaborator of the Research Centre for Child Studies - CIEC. 
She is author and coordinator of projects for primary prevention in health care as well as in the organization and promotion of workshops on healthy eating habits in the schools. Her current research interests are cancer prevention and other chronic diseases and health communication.
 Responsible for the design and coordination of the awareness of campaigns for the prevention of cancer. Worked in Pharmaceutical Marketing and specializes in Brand Management and Communication. Author and Founder of Stop Cancer Portugal Project.