Qual é a sua relação com a comida? Não coma ao sabor das emoções

Para muitos de nós, fazer uma refeição pode não ser tão simples como pensamos.

O simples ato de comer, de se alimentar, pode tornar-se mais um momento emocional do que um evento físico de “matar a fome”.

 Comer é antes de mais uma necessidade biológica, mas uma refeição pode ganhar outros significados: obrigação, punição, refugio, conforto, paz, celebração. Quando a comida absorve emoções deste tipo, pode levar a comportamentos extremos: comer de menos ou comer de mais.

Cerca de 60% dos indivíduos com peso excessivo ou com obesidade são comedores emocionais e as suas escolhas de consumo caem mais em alimentos ricos em gordura, açúcar e calorias como resposta a emoções negativas.

Como é a sua relação com a comida? Come quando tem fome? Ou come ao sabor das suas emoções? Qual é a sua relação com a comida numa refeição quando se sente triste, irritado, furioso, preocupado, ansioso, alegre ou eufórico?

Pense sobre os últimos 4 dias da semana: quantas vezes comeu sem ter fome? Quais foram as situações do trabalho ou da vida que o levaram a comer sem ter fome? Ou até pelo contrário, com o excesso de trabalho, ansiedade, tristeza, alegria ou uma situação inesperada perde o apetite?
Se as suas respostas são afirmativas, então a sua relação com a comida está dependente das suas emoções e do humor.

Agora que conhece essa interação – entre comida e emoções – nas suas experiências e ganhou consciência dessa vulnerabilidade, pode começar a mudar ativamente a raiz dos seus comportamentos, que se existem não são aleatórios nem destituídos de sentido; são repetidos vezes sem conta, tornam-se sistemáticos e por isso são previsíveis e por isso podem ser prevenidos.

Então, a sua relação com a comida deve mudar, aprendendo a reconhecer quando tem realmente fome e quando atinge a saciedade e fica satisfeito.
Utilize a escala da fome para gerir esses dois momentos e comer apenas quando estiver com fome e parar quando estiver cheio.
Desenvolva uma relação sadia com a comida. Mude o padrão habitual, não coma sempre o mesmo tipo de refeição com os mesmos alimentos. Por exemplo, experimente novos alimentos, alimentos que nunca provou e vai comer pela primeira vez. Há certamente muitos, se refletir sobre isso. Dê prioridade aos alimentos vegetais e complemente-os com produtos de qualidade de origem animal. Procure o apoio de um nutricionista para aprender a escolher alimentos nutritivos e alimentar o seu corpo.

Uma refeição não é uma recompensa ou um castigo. Não use a comida dando-lhe uma carga emocional com caraterísticas de prémio ou punição. Estabeleça uma relação saudável com a comida, adotando por exemplo o método da atenção plena.

E a última recomendação é procurar apoio especializado, em pelo menos duas áreas – a nutrição e psciologia comportamental.

Referências: Frayn, M., & Knäuper, B. (2018). Emotional eating and weight in adults: a review. Current Psychology37(4), 924-933.; Créditos da imagem: https://wikiehelp.com/how-to-manage-overcome-binge-eating-disorder-bed/

Margarida Vieira, nutricionista, licenciada em Ciências da Nutrição (FCNAUP-1991), mestre em Nutrição Clínica (ISCSEM-2008). Doutorada em Estudos da Criança, na especialidade de saúde infantil pela Universidade do Minho. Membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas com a cédula profissional nº 0052N. Investigadora na Fundação para a Ciência e Tecnologia (2011-2015). Membro do Centro de Investigação em Estudos da Criança – CIEC. Desenvolve a sua atividade na Investigação e na área da Nutrição Clínica. É autora e coordenadora de projectos de prevenção primária na área da saúde, bem como na organização e dinamização de seminários sobre hábitos alimentares saudáveis, predominantemente em ambiente escolar. Os seus atuais interesses de investigação, são no domínio da promoção e da comunicação para a saúde, na prevenção do cancro e de outras doenças crónicas. Responsável pela conceção e coordenação de campanhas para a prevenção do cancro. Trabalhou no Marketing Farmacêutico e especializou-se em Gestão e Comunicação da Marca (IPAM – 2003). Autora e fundadora do Stop Cancer Portugal, adotar um estilo de vida saudável. Usa o novo acordo ortográfico. Margarida Vieira, nutritionist, is PhD in Child Studies of the University of Minho. Member collaborator of the Research Centre for Child Studies - CIEC. 
She is author and coordinator of projects for primary prevention in health care as well as in the organization and promotion of workshops on healthy eating habits in the schools. Her current research interests are cancer prevention and other chronic diseases and health communication.
 Responsible for the design and coordination of the awareness of campaigns for the prevention of cancer. Worked in Pharmaceutical Marketing and specializes in Brand Management and Communication. Author and Founder of Stop Cancer Portugal Project.