Ácidos gordos ómega 3 como adjuvantes no tratamento do doente oncológico

óleos de peixeOs óleos de peixe têm mostrado ter efeitos benéficos em algumas doenças crónicas degenerativas como as doenças cardiovasculares, a artrite reumatóide, a diabetes, as doenças autoimunes e o cancro. Esses benefícios parecem ser devidos ao elevado teor em ácidos gordos polinsaturados ómega 3, como o ácido docosahexanóico (DHA) e o ácido eicosapentanóico (EPA).

O DHA e o EPA, uma vez ingeridos e absorvidos, são incorporados nas membranas celulares, sob a forma livre ou integrados noutras estruturas. No entanto, ambas as formas, contribuem de modo substancial, para as propriedades físicas dessas membranas, ou seja, para a organização das mesmas, para a permeabilidade, para a elasticidade e para a formação de alguns compostos. Assim, tanto o DHA como o EPA são reconhecidos como nutrientes importantes na regulação do metabolismo.

Alguns investigadores já reconheceram a capacidade do DHA em influenciar alguns mecanismos  ligados à proliferação do cancro, na “morte” das células cancerígenas e na diferenciação das mesmas. O DHA terá, também, a capacidade de inibir a angiogénese (processo de formação e crescimento de novos vasos sanguíneos a partir de vasos pré-existentes e que é necessário à progressão do tumor), a invasão por células tumorais e na formação de metástases.

Segundo um trabalho de revisão publicado em maio deste ano, o DHA parece ter a capacidade de inibir a formação de metástases em animais, bem como a invasão e a migração em células cancerígenas em ambiente laboratorial. Parece, ainda, que a combinação entre DHA e os fármacos usados no tratamento ao cancro pode aumentar a eficácia tóxica do(s) fármaco(s) sobre a célula cancerígena, impedindo a resistência a esses fármacos, reduzindo as defesas  das células tumorais, fragilizando-as, e aumentar a captação do fármaco.

Apesar destes resultados encorajadores, ainda é necessário verificar se a suplementação com DHA pode melhorar a eficácia anti-metastática da quimioterapia e da radioterapia no tratamento do cancro em humanos.

Tendo em conta a complexidade que envolve o desenvolvimento de doença oncológica e a sobrevivência ao cancro, grande parte dos oncologistas considera que nenhuma terapêutica é suficiente, só por si, para tratar o cancro. Os dados apresentados sugerem que o DHA exerce uma atividade anticancerígena, mostrando ser um potencial adjuvante na quimioterapia, contribuindo, ainda, para evitar algumas das complicações secundárias associadas ao cancro, como a caquexia. Assim, o DHA, pela sua capacidade de aumentar a captação de fármacos, especialmente em células outrora resistentes a essas drogas, de aumentar a eficácia em criar um ambiente mais desfavorável (oxidante) às células cancerígenas e em favorecer a morte celular com algumas quimioterapias, é um possível adjuvante no tratamento do doente oncológico. Esperemos por mais estudos!

Referencias: Colomer R, Moreno-Nogueira J, García-Luna P et al.. N-3 fatty acids, cancer and cachexia: a systematic review of the literature. British Journal of Nutrition. 2007: 97(5): 823–831.; Merendino N, Costantini L, Manzi L, Molinari R, D’Eliseo D, Velotti F. Dietary w-3 Polyunsaturated Fatty Acid DHA: A Potential Adjuvant in the Treatment of Cancer. BioMed Research International. 2013; 2013:310186.; Siddiqui R, Harvey K, Xu Z, Bammerlin E, Walker C, Altenburg J. Docosahexaenoic acid: a natural powerful adjuvant that improves efficacy for anticancer treatmentwith no adverse effects. Biofactors. 2011; 37(6): 399–412.

Dina Raquel João é Nutricionista e Mestre em Nutrição Clínica, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas (nº 0204N), com o Título de Especialista para a área de Terapia a Reabilitação da Classificação Nacional de Áreas de Educação e Formação, subárea da Nutrição, tendo desenvolvido a sua atividade profissional principalmente na prática clínica, na docência e formação e na investigação. Como Nutricionista, iniciou atividade clínica em 2001, tendo exercido a nível hospitalar, em centro de saúde e em clínica privada. A experiência profissional na área da investigação decorreu, essencialmente, na área oncológica, tendo sido premiada nesse campo (1º Prémio de Nutrição Clínica da Fresenius Kabi, em 2002). Conta com diversas comunicações científicas orais e em painel, tanto em eventos nacionais como internacionais. Atualmente, é Professora Adjunta Convidada na Universidade do Algarve – Escola Superior de Saúde, lecionando à licenciatura em Dietética e Nutrição.