Dia Mundial do Combate à Obesidade 2020: as raízes são profundas

Este ano o dia mundial do combate à obesidade assinala-se a 4 de março, quarta-feira. A alteração da data surgiu da união de diversas organizações mundiais, entre as quais a Associação Europeia para o estudo da obesidade, com o objetivo de unir esforços face a um desafio que afeta 650 milhões de pessoas no mundo.

A obesidade é uma doença com causas multifatoriais, entre as quais se encontram causas genéticas, endócrinas mas principalmente causas associadas a hábitos alimentares e de estilos de vida que favorecem o desequilíbrio entre as calorias ingeridas e as gastas que resultam na acumulação de gordura.

Um cidadão europeu passa em média 5h do seu dia sentado. Entre 1960 e 2010, verificou-se uma redução de 13% a 15% por dia no gasto energético durante as horas de trabalho, tendo aumentado o consumo de bebidas açucaradas e alimentos com elevada densidade calórica. O que significa que, em média, ingerimos mais cerca de 500 quilocalorias por dia e gastamos menos, já que se estima que 42% da população europeia não pratique qualquer atividade física.

O diagnóstico da obesidade faz-se através da avaliação da composição corporal, recorrendo a avaliação por bioimpedância, calculo do índice de massa corporal ou avaliação do perímetro abdominal.

Dia Mundial do Combate à Obesidade 2020: obesidade na Europa

Estes são alguns dados sobre a obesidade na Europa:
– estima-se que 23% das mulheres e 20% dos homens sejam obesos e que em 2030, mais de 50% de população europeia seja obesa
– anualmente 337 000 mortes prematuras são atribuíveis à obesidade
– 80% dos casos de diabetes tipo 2 ocorrem em consequência da obesidade e do excesso de peso
– os custos anuais associados à obesidade, rondam os 70 biliões de euros, tendo em conta os custos associados aos cuidados de saúde e à redução na produtividade.

É ainda importante lembrar que os hábitos alimentares e de estilos de vida adotados durante a infância têm uma grande influência nos hábitos adotados em idade adulta. Mais de 60% das crianças que apresentam excesso de peso antes da puberdade, tornam-se adultos com excesso de peso.

Como podemos constatar, o excesso de peso e a obesidade vão muito para além da estética, contribuindo para o desenvolvimento de diversas doenças crónicas não transmissíveis, tais como cancro, diabetes, doenças cardiovasculares, infertilidade, asma, doença hepática, entre outras. A presença de obesidade dificulta ainda o tratamento de diversas patologias, aumentando o risco de complicações cirúrgicas, assim como o risco de complicações durante o tratamento de doença oncológica.

O tratamento da obesidade requer uma abordagem multidisciplinar. Conte com os profissionais de saúde que o acompanham para a definição da estratégia que melhor se adequa às sua necessidades e ao seu estilo de vida.

Referências: Vasanth Rao VRB, Candasamy M, Bhattamisra SK. Obesity an overview: Genetic conditions and recent developments in therapeutic interventions. Diabetes Metab Syndr. 2019 May – Jun;13(3):2112-2120. https://easo.org/advocacy/world-obesity-day/infographics/, acesso em [29/02/2020]; www.worldobesityday.org, acesso em [29/02/2020]. Crédito das imagens: worldobesityday.org

Inês Correia

Inês Almada Correia, nutricionista, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas 3684N, pós- graduada em Nutrição em Oncologia pela Universidade Católica Portuguesa. Tem colaborado com a Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL) em atividades, tais como workshops sobre alimentação direc (...)