Viver saudável e sem glúten

Share on Facebook61Share on Google+0Tweet about this on Twitter0

glúten

A palavra glúten diz-lhe alguma coisa? Sabe o que é? Conhece alguém que, para viver bem, não pode comer nada com glúten?

O glúten é uma fracção proteica de certos cereais, como o trigo, o centeio, a cevada e a aveia, encontrando-se, por isso, em muitos produtos alimentares: pão, massas, bolachas, delícias do mar, farinheiras e alheiras. Pode estar presente também em certos medicamentos, inclusive nos polivitamínicos.

As pessoas que não podem receber glúten, e que são geneticamente predispostas, reagem quando o glúten está presente nos seus hábitos alimentares. A sua toxicidade sobre a mucosa digestiva, na doença celíaca, depende das poliaminas que compõem o glúten (gliadina; secalina; ordeína;  avenina). A introdução do glúten numa idade muito precoce (antes dos 5 meses) pode ser um factor desencadeador de doença celíaca.

A doença celíaca ou enteropatia sensível ao glúten é uma doença inflamatória intestinal. Nestes casos, quando uma pessoa consome alimentos com glúten, este funciona como um tóxico. O glúten vai danificar a parede intestinal, provocando uma diminuição da superfície de absorção do intestino e, consequentemente, há uma redução da absorção de nutrientes. Gera-se, assim, um decréscimo na absorção de hidratos de carbono, lípidos, proteínas, vitaminas (nomeadamente lipossolúveis), ferro, magnésio e zinco. Devido a esta situação, a malnutrição pode instalar-se, isto é, gera-se uma deficiência grave em nutrientes essenciais ao correcto funcionamento do nosso organismo.

Cada um de nós é um ser único e, por conseguinte, esta doença afecta cada pessoa de modo diferente. Assim, uma pessoa pode desenvolver um processo complexo de sintomatologia, outra não ter sintomas e outra ainda apresentar sintomas completamente distintos.

São diversos os sintomas de intolerância ao glúten: distensão e dores abdominais, evacuações mais frequentes, moles e volumosas (diarreia) e por vezes vómitos. Anemia, perda de peso, fadiga, fraqueza muscular, aftas recorrentes, infertilidade inesperada, osteoporose prematura ou grave, são alguns exemplos entre outros. Salienta-se ainda que a irritabilidade é um dos sintomas mais comuns em crianças. Nesta faixa etária pode ocorrer também atraso no crescimento, baixa estatura para a idade e alterações do esmalte dos dentes definitivos. Esteja atento aos sinais que o seu corpo lhe dá. O tratamento deve começar desde o diagnóstico e engloba uma alimentação isenta de glúten.

Assim, para além da eliminação do glúten da alimentação (trigo, centeio, cevada e aveia), os cuidados nutricionais passam por suplementos vitamínicos e minerais (cálcio e vitamina D) e reposição hídrica.

Susana Arranhado

Sobre Susana Arranhado

Susana Arranhado é licenciada em Ciências da Nutrição, pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz. Mestre em Cuidados Paliativos, pela Faculdade de Medicina do Porto. Colaborou no Stop Cancer Portugal entre Junho de 2010 e Maio de 2011.