Um desconhecido denominado colangiocarcinoma

O colangiocarcinoma é o segundo tumor primário do fígado mais frequentemente diagnosticado em todo o mundo. Este tumor tem origem nas células epiteliais que revestem os canais biliares, os colangiócitos, e pode classificar-se em intra-hepático, extra-hepático ou hilar de acordo com a sua localização anatómica. Sabe-se que a colangite esclerosante primária (CEP) é o fator de risco mais comum. O colangiocarcinoma é um tumor que normalmente se desenvolve nos primeiros dois anos e meio após o diagnóstico de CEP.

De tumor raro a problema de saúde pública

Apesar de ser considerado um tumor raro, o colangiocarcinoma representa um importante problema de saúde pública no sudoeste asiático, onde a sua taxa de incidência é elevada.

Para o diagnóstico deste tipo de tumor podem ser efetuados diversos estudos, incluindo a utilização de alguns marcadores tumorais presentes no soro, tal como o antigénio carcinoembrionário (CEA, do inglês carcinoembryonic antigen) e o antigénio carbohidrato 19-9 (CA 19-9, do inglês cancer antigen 19-9). Também a utilização de estudos imagiológicos são essenciais para o diagnóstico e estadiamento desta neoplasia. Entre as técnicas de imagem mais utilizadas inclui-se a ecografia, a tomografia axial computorizada (TAC) ou a colangiopancreatografia por ressonância magnética nuclear

As opções terapêuticas para o colangiocarcinoma são limitadas

A cirurgia é atualmente a única solução verdadeiramente curativa para o colangiocarcinoma, um tumor descrito como quimiorresistente e radiorresistente. Na verdade, e uma vez que o diagnóstico deste tumor é normalmente efetuado numa fase avançada da doença, existe uma grande taxa de mortalidade associada a este tipo de tumor hepático, ocorrendo a morte essencialmente por insuficiência hepática e/ou complicações infeciosas que acompanham a obstrução biliar crónica.

Uma vez que a utilização das estratégias terapêuticas atualmente disponíveis tem apresentado resultados totalmente desanimadores, a descoberta de novas moléculas e alvos terapêuticos que permitam combater eficazmente o colangiocarcinoma é altamente desejável. Desta forma, alguns fármacos em estudo para este tipo de cancro incluem os inibidores dos EGFR (cetuximab, erlotinib e gefitinib), os inibidores da RAF-cinase (sorafenib), os inibidores dirigidos ao HER-2 (trastuzumab e lapatinib) e os inibidores dirigidos ao VEGF (sorafenib e bevacizumab). Também o efeito do celecoxib, um inibidor da COX-2, e os inibidores dos recetores das tirosinas cinases (sorafenib, erlotinib e bevacizumab), isoladamente ou em combinação com outros fármacos, têm sido alvo de estudo.

Breve nota bibliográfica sobre o 2.º autor: Ana Filipa Brito é Mestre em Engenharia Biomédica e Doutorada em Ciências Biomédicas pela Universidade de Coimbra. Atualmente é investigadora no Centro de Investigação em Meio Ambiente, Genética e Oncobiologia (CIMAGO) da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e é responsável pelos assuntos regulamentares na empresa Reg4life.

Referências: Brito AF. GLUT-1: Um alvo terapêutico para os tumores primários do fígado? Tese de Doutoramento – Universidade de Coimbra, 2014.; Brito AF, Abrantes AM, Encarnacao JC, Tralhao JG, Botelho MF. Cholangiocarcinoma: from molecular biology to treatment. Med Oncol. 2015;32(11):245; Brito AF, Ribeiro M, Abrantes AM, et al. New Approach for Treatment of Primary Liver Tumors: The Role of Quercetin. Nutr Cancer. 2016;68(2):250-266.;Palmer WC, Harnois DM. Cholangiocarcinoma. In: Keaveny AP, Cárdenas A, eds. Complications of Cirrhosis: Evaluation and Management. Cham: Springer International Publishing; 2015:219-227. Photo credits: Sasin Tipchai

Ana Catarina Mamede, natural de Peniche, é Doutorada em Biomedicina pela Universidade da Beira Interior. É membro da equipa de investigação da Unidade de Biofísica e do Centro de Investigação em Meio Ambiente, Genética e Oncobiologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. Autora de vários artigos científicos, livros e apresentações. Os seus atuais interesses de investigação são no domínio da comunicação de ciência, particularmente na área da saúde. Fundadora e CEO da Research Trial (www.research-trial.com), uma agência de Comunicação de Ciência. Usa o novo acordo ortográfico. Ana Catarina Mamede, from Peniche, completed the PhD in Biomedicine at the University of Beira Interior. She is member of the research team of the Biophysics Unit and the Center of Investigation in Environment, Genetics and Oncobiology of the Faculty of Medicine of the University of Coimbra. Author of several scientific articles, books and presentations. Her current research interests are in the field of science communication, particularly in health. Founder and CEO of Research Trial (www.research-trial.com), a Science Communication agency.