O surto por E. coli enterohemorrágica

EHEC

A Escherichia coli (E. coli) é uma bactéria comum, fazendo parte da flora bacteriana encontrada normalmente no intestino dos humanos e dos animais sendo, geralmente, inofensivas. No entanto, há estirpes específicas de E. coli capazes de produzir toxinas como é a E. coli enterohemorrágica (EHEC).

A toxina em causa tem a capacidade de causar gastroenterite com diarreia sanguinolenta que pode conduzir à insuficiência renal aguda.

Quais são os primeiros sintomas?

Diarreia, que pode ser com sangue, acompanhada ou não por vómitos. Outros sintomas incluem febre, irritabilidade, letargia e fraqueza. Os indivíduos infectados também podem urinar menos que o normal.

Quais são as fontes de contaminação?

A transmissão da infecção por EHEC ocorre principalmente através da ingestão ou manipulação imprópria de alimentos contaminados. Uma grande variedade de alimentos pode ser a fonte da infecção: carne mal cozinhada, leite não pasteurizado, uma variedade de produtos frescos, suco de maçã não pasteurizado, queijo.

Medidas que podem ajudar a reduzir os riscos de contaminação por EHEC:

É fundamental seguir boas práticas de higiene alimentar e pessoal, precauções simples que se podem tomar para reduzir o risco de contágio com alimentos potencialmente contaminados.

  • Lave as mãos com sabão e água morna, antes e após a preparação de alimentos e entre a preparação de alimentos diferentes.
  • Previna a contaminação cruzada, não utilize os mesmos utensílios para diferentes alimentos (facas, tábuas de cozinha, garfos, etc.). Não deixe que a carne crua, ou seus sucos, entrem em contacto com carne cozinhada ou com qualquer outro alimento que não tenha sido cozinhado antes de comer. Limpe as mãos, as superfícies e os utensílios após manusear carnes frescas, carnes de aves e antes de manusear um produto fresco (ou qualquer outro alimento).
  • Cozinhe bem a carne. Os hambúrgueres de carne, por exemplo, devem ser cozinhados a uma temperatura mínima interna de 70 º C por mais de 2 minutos.
  • Lave cuidadosamente as frutas e os produtos hortícolas com água limpa e corrente.
  • Descasque e retire as folhas externas ou cascas. Esfregue cuidadosamente os legumes se quiser comer a pele. Use uma escova de legumes e água para esfregar os que têm a pele dura, como o melão, as maçãs ou as cenouras, antes de os cortar e servir. Frutas mais pequenas e delicadas, como cerejas, morangos e uvas são facilmente lavadas com um coador.
  • Lave as mãos regularmente antes e após as refeições, a ida à casa de banho ou mudança de fraldas.
  • Tenha atenção com os cuidados de higiene com pessoas com pouca autonomia, como as crianças pequenas.
  • Qualquer pessoa com diarreia ou vómitos não deve preparar ou manipular alimentos.

A OMS declarou que a EHEC 0104 “é uma estirpe original que nunca foi isolada de pacientes anteriormente”. O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças, com sede na Suécia, refere que este surto do Síndroma hemolítica-urémica é um dos maiores descritos em todo o mundo e o maior já relatado na Alemanha “. O surto circunscrito à Alemanha conta com quase 3 mil casos detectados. Esta infecção não é de contágio directo, mas pode ser transferida entre pessoas, desde que uma pessoa infectada prepare refeições para os outros.

Margarida Vieira, nutricionista, licenciada em Ciências da Nutrição (FCNAUP-1991), mestre em Nutrição Clínica (ISCSEM-2008). Doutorada em Estudos da Criança, na especialidade de saúde infantil pela Universidade do Minho. Membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas com a cédula profissional nº 0052N. Investigadora na Fundação para a Ciência e Tecnologia (2011-2015). Membro do Centro de Investigação em Estudos da Criança – CIEC. Desenvolve a sua atividade na Investigação e na área da Nutrição Clínica. É autora e coordenadora de projectos de prevenção primária na área da saúde, bem como na organização e dinamização de seminários sobre hábitos alimentares saudáveis, predominantemente em ambiente escolar. Os seus atuais interesses de investigação, são no domínio da promoção e da comunicação para a saúde, na prevenção do cancro e de outras doenças crónicas. Responsável pela conceção e coordenação de campanhas para a prevenção do cancro. Trabalhou no Marketing Farmacêutico e especializou-se em Gestão e Comunicação da Marca (IPAM – 2003). Autora e fundadora do Stop Cancer Portugal, adotar um estilo de vida saudável. Usa o novo acordo ortográfico. Margarida Vieira, nutritionist, is PhD in Child Studies of the University of Minho. Member collaborator of the Research Centre for Child Studies - CIEC. 
She is author and coordinator of projects for primary prevention in health care as well as in the organization and promotion of workshops on healthy eating habits in the schools. Her current research interests are cancer prevention and other chronic diseases and health communication.
 Responsible for the design and coordination of the awareness of campaigns for the prevention of cancer. Worked in Pharmaceutical Marketing and specializes in Brand Management and Communication. Author and Founder of Stop Cancer Portugal Project.