O legume da minha vida

Tornou-se moda usar expressões como: o filme da minha vida, a viagem da minha vida, o livro da minha vida, …. Todas estas frases provavelmente derivaram daquela outra que inspirou muitos romances, o amor da minha vida, para transmitir aos outros o que já nos fez ou ainda nos pode fazer felizes, enfim satisfeitos!

Pois bem, por esta ordem de ideias, o legume da minha vida é a couve portuguesa.

Qual é o legume da sua vida? Alguma vez lhe ocorreu pensar, entre muitos, qual é mesmo o seu eleito?

Mas, atenção! Pelo facto de ter o legume da sua vida, isso não quer dizer que passe a vida a comer só aquele que elege como “o mais que tudo”, até porque, se não houver moderação, o mais provável é que enjoe e ele deixe de ocupar esse lugar especial.

A couve portuguesa, ou tronchuda, pertence a uma extensa família. Pois é, quem diria que os grãos de mostarda, por exemplo, são parentes próximos das couves tronchudas? Facilmente nos escaparia esse parentesco, excepto aos botânicos e especialistas da produção vegetal.

A couve portuguesa é o principal ingrediente de muitas receitas portuguesas e saudáveis como a irresistível e abençoada sopa de feijão com couve. Agora um pequeno desabafo: é uma pena que muitos portugueses, e refiro-me às gerações mais novas, não a provem ou só a consigam comer toda passada, ignorando a principal função dos dentes: mastigar.

Quase a chegar a uma das noites mais esperadas no ano inteiro, esta couve não falta com o seu fiel amigo, o Sr. Bacalhau. Afinal a festa do Natal começa logo bem. Começa com uma refeição saudável, onde os vegetais ocupam metade do prato. E como não podia deixar de ser, tão bem representados, em parte, pela couve portuguesa.

A presença constante de legumes na nossa alimentação é um acontecimento festivo para todas as células do nosso corpo. É para elas um autêntico banquete de vitaminas, de minerais e de fibra, fundamentais para a realização da vida saudável no plano biológico.

Devido à couve, a tronchuda, toca nesta festa uma “banda” bastante completa e que passo a apresentar: as vitaminas B2, B3, B6, C, E, K, acompanhadas dos minerais cálcio, fósforo, potássio, magnésio, zinco e, ainda, a fibra (2 gramas por cada 100 gramas de couve).

Tem havido uma evidência científica crescente a mostrar a necessidade de um fornecimento constante de substâncias fitoquímicas, distribuídas pelos alimentos de origem vegetal, que têm um papel chave na prevenção do cancro. Diferentes vegetais apresentam fitoquimicos distintos e em conteúdos diferentes, oferecendo deste modo mecanismos de protecção anticancerígena a diferentes níveis.

Assim, a couve portuguesa, além de vários polifenóis e de β-caroteno, possui elevadas concentrações de glucosinolatos, responsáveis pela libertação de duas classes de fitoquímicos: os isotiocianatos e os indóis, fortemente poderosos na actividade anticancerígena. Os efeitos anticancerígenos de um deles, o indol-3-carbinol, têm sido comprovados através de diversos estudos no cancro do endométrio, da mama e da próstata, actuando através de diferentes vias metabólicas e hormonais.

Afinal, quando como o legume da minha vida, o meu corpo tem razões para fazer uma festa e celebrar a saúde.

Na pesquisa bibliográfica do presente artigo agradece-se a colaboração de Joana Rodrigues e Rute Magina, alunas do 2º ano da Licenciatura de Nutrição e Qualidade Alimentar da Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Castelo Branco.

Margarida Vieira, nutricionista, licenciada em Ciências da Nutrição (FCNAUP-1991), mestre em Nutrição Clínica (ISCSEM-2008). Doutorada em Estudos da Criança, na especialidade de saúde infantil pela Universidade do Minho. Membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas com a cédula profissional nº 0052N. Investigadora na Fundação para a Ciência e Tecnologia (2011-2015). Membro do Centro de Investigação em Estudos da Criança – CIEC. Desenvolve a sua atividade na Investigação e na área da Nutrição Clínica. É autora e coordenadora de projectos de prevenção primária na área da saúde, bem como na organização e dinamização de seminários sobre hábitos alimentares saudáveis, predominantemente em ambiente escolar. Os seus atuais interesses de investigação, são no domínio da promoção e da comunicação para a saúde, na prevenção do cancro e de outras doenças crónicas. Responsável pela conceção e coordenação de campanhas para a prevenção do cancro. Trabalhou no Marketing Farmacêutico e especializou-se em Gestão e Comunicação da Marca (IPAM – 2003). Autora e fundadora do Stop Cancer Portugal, adotar um estilo de vida saudável. Usa o novo acordo ortográfico. Margarida Vieira, nutritionist, is PhD in Child Studies of the University of Minho. Member collaborator of the Research Centre for Child Studies - CIEC. 
She is author and coordinator of projects for primary prevention in health care as well as in the organization and promotion of workshops on healthy eating habits in the schools. Her current research interests are cancer prevention and other chronic diseases and health communication.
 Responsible for the design and coordination of the awareness of campaigns for the prevention of cancer. Worked in Pharmaceutical Marketing and specializes in Brand Management and Communication. Author and Founder of Stop Cancer Portugal Project.