Lesões na prática de yoga

Não há nada pior para um professor de yoga que ouvir um aluno apresentar dores numa zona do corpo e considerar que a causa está num movimento, numa asana (postura), ou mesmo na correção que o professor fez. Todos os professores já passaram pela situação do aluno abandonar a prática por considerar que a responsabilidade é do professor. Sem querer aqui abordar o tema da formação do professor, da capacidade deste para saber corrigir o aluno no momento certo, enquanto professora de yoga o importante é elaborar uma aula que possa beneficiar todos os alunos presentes e que, naturalmente, apresentam níveis diferentes de atenção, de concentração e de prática física.

De uma forma geral, as lesões não surgem no momento, são o resultado de vários movimentos mal feitos de forma continuada. E alguns desses movimentos não são feitos em aula, são realizados no quotidiano e que se refletem na aula, já que, esta apela a uma maior exigência física, pelo pedido de uma maior flexibilidade ou do incremento do uso da força muscular.

A vigilância do professor aos alunos é uma presença exterior. O professor não está dentro do aluno e muitas vezes o nível de concentração que o aluno apresenta não se refere ao momento presente vivenciado, mas a um pensamento em que mantém o foco nesse momento. E se nesse momento o professor pensa que o aluno está focado na aula, pela prática da postura correta, isso deve-se ao facto, do domínio completo dessa mesma postura, mas não significa que a pressão sobre os músculos, pés, ou mãos esteja a ser feita de forma correta, porque a prática de yoga tem as suas nuances ao ser tão precisa e mesmo perfecionista na forma como se executa. E só essa precisão e plena atenção no momento presente permite ao aluno saber escutar o seu corpo e levá-lo ao caminho da descoberta de si. Manter o aluno focado é um dos grandes desafios do professor de yoga.

No que se refere ao movimento em concreto, o que se assiste muitas vezes é que o aluno não escuta o professor. Realiza o que lhe é solicitado de forma automática o que leva a uma perda da noção corporal, colocando a carga do movimento em locais do corpo errados. Por exemplo, forçando mais o joelho no movimento de deslocar a perna para a frente e pousando o pé, não com a correta colocação do mesmo, mas usando mais o joelho para realizar esse apoio. Este movimento simples, com o decorrer do tempo cria lesões nos joelhos. Este movimento simples, não acontece apenas na aula é uma caraterística do aluno na forma como se movimenta no dia a dia.

Uma das minhas preocupações quando dou aula é perceber ao pormenor cada aluno, a forma como anda, como coloca o corpo nesse movimento. A posição dos ombros e das mãos e sobretudo dos pés, porque são a base da nossa deslocação e ensina muito sobre o corpo do aluno. Eu conheço muitos dos meus alunos pela forma como tocam à campainha, ou pelo ruído que fazem a subir as escadas. Porque a forma como o aluno sobe as escadas já é reveladora.

No que se refere à prática das asanas, as preocupações são as mesmas em relação ao movimento. Por vezes o apoio do pé é revelador que a pressão sobre a anca ou o joelho está a ser feita de forma errada. A forma como o aluno se mantém de pé, mostra as anomalias da coluna e sugere as correções a serem aplicadas.

Praticar yoga é a descoberta de quem se é. E o foco no corpo e a atitude mental para manter esse foco, são cruciais para a descoberta da nossa individualidade e para o crescimento como indivíduos integrados no coletivo.

Leia também o artigo publicado aqui, sobre como prevenir lesões na aula de yoga.

Fotografia: https://www.eusemfronteiras.com.br/yoga-desistir-ou-continuar/

Alexandra Pereira, professora de yoga através da AIPYS-Asociación Internacional de Profesores de Yoga Sananda, Espanha 2000. Licenciada em Filosofia (FLUP 1988). Mestrado em Filosofia: “A filosofia do yoga: da prática a uma filosofia de vida” ( FLUP 2019) Exerce a sua actividade profissional de professora de yoga em Vidya-Academia de Yoga do Porto (Desde 2001). Dirigiu e ministrou cursos de Formação: "Curso de Professores de Yoga" (desde 2010 a 2016) e "Curso de Monitor de Yoga para técnico de SPA" (2013). Os seus atuais interesses de investigação, relacionam-se com as doenças autoimunes e cancro, e no contributo que a prática de yoga oferece para melhorar a condição física, mental e psicológica do praticante. Curso de especialização ("Yoga for Cancer Survivors" 2013). Alexandra Pereira, yoga teacher through the AIPYS-Asociación Internacional de Profesores de Yoga Sananda, Spain 2000. Specialization course ("Yoga for Cancer Survivors" 2013). Licenciate in Philosophy (FLUP 1988). Master Philosophy: “The Philosophy of Yoga: From Practice to a Philosophy of Life” (FLUP 2019) Professional activity: yoga teacher at Vidya-Academia de Yoga do Porto (since 2001). Direted and teached training Courses: "Yoga Teacher Course" (from 2010 to 2016) and "Yoga Monitor Course for SPA Technician" (2013). My current research, is relate to autoimmune diseases and cancer, and the contribution that the practice of yoga offers to improve physical, mental and psychological well-being in student.