Saúde física e mental: mova-se mais, sente-se menos!

À medida que a idade avança, quanto maior é o tempo dedicado à prática de atividade física e menor o tempo em posição sentada, melhor é para a saúde física e mental geral.

Esta conclusão foi retirada de um estudo publicado na revista Cancer que fornece evidências da importância do aumento da atividade física moderada a vigorosa e da diminuição da posição sentada para melhorar a saúde em adultos mais velhos com ou sem diagnóstico prévio de cancro.

O estudo avaliou 78.000 adultos sobreviventes de cancro até 10 anos após o diagnóstico e adultos saudáveis sem diagnóstico de cancro, incluídos no Estudo de Prevenção do Cancro II da Sociedade Americana do Cancro, e com uma média de idade de 78 anos, aferindo-se a atividade física aeróbica, o fortalecimento muscular, o tempo em posição sentada, e a saúde mental e física. Os resultados apontam para diferenças clinicamente significativas na saúde mental e física global entre os adultos mais e menos ativos e os menos e mais sedentários, independentemente do histórico de cancro. Por isso, praticar atividade física regularmente e diminuir o tempo sentado é uma estratégia não farmacológica importante na melhoria da qualidade de vida de homens e mulheres que estão a envelhecer, mesmo que tenham diagnóstico prévio de cancro.

As diretrizes de atividade física em Portugal publicadas recentemente, recomendam que os adultos façam 150-300 minutos de atividade de intensidade moderada ou 75-150 minutos de atividade de intensidade vigorosa durante a semana e limitem sempre que possam comportamentos sedentários, como passar o dia a ver televisão.

Em Portugal o número de adultos idosos continua em franco crescimento e os sobreviventes oncológicos estão a aumentar. Segundo o Eurostat, Portugal é o quarto país da União Europeia com maior percentagem de população idosa(mais de 65 anos). A projeção dada pela Instituto Nacional de Estatística (2018- 2080) prevê que o número de idosos ( 65 anos ou mais) passará de 2,2 para 3,0 milhões. O índice de envelhecimento em Portugal quase duplicará, passando de 159 para 300 idosos por cada 100 jovens, em 2080.

De acordo com estas previsões são necessárias estratégias dirigidas a esta faixa etária, organizadas localmente, em cada município, para promover o envelhecimento saudável e com a qualidade de vida que merecem.

Caminhar ao ar livre, agora com a primavera a chegar ou mesmo outro tipo de atividade física que se identifique mais, pode dar um contributo significativo na diminuição do tempo que passa sentado.

Ser fisicamente ativo ao longo da vida reforça os benefícios para a saúde já reconhecidos ao nível da saúde física e também da saúde mental.

Referências: Rees‐Punia, E., Patel, A. V., Nocera, J. R., Chantaprasopsuk, S., Demark‐Wahnefried, W., Leach, C. R., … & Gapstur, S. M. (2021). Self‐reported physical activity, sitting time, and mental and physical health among older cancer survivors compared with adults without a history of cancer. Cancer, 127(1), 115-123. Créditos da imagem:PublicDomainPictures por Pixabay 

Margarida Vieira, nutricionista, licenciada em Ciências da Nutrição (FCNAUP-1991), mestre em Nutrição Clínica (ISCSEM-2008). Doutorada em Estudos da Criança, na especialidade de saúde infantil pela Universidade do Minho. Membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas com a cédula profissional nº 0052N. Investigadora na Fundação para a Ciência e Tecnologia (2011-2015). Membro do Centro de Investigação em Estudos da Criança – CIEC. Desenvolve a sua atividade na Investigação e na área da Nutrição Clínica. É autora e coordenadora de projectos de prevenção primária na área da saúde, bem como na organização e dinamização de seminários sobre hábitos alimentares saudáveis, predominantemente em ambiente escolar. Os seus atuais interesses de investigação, são no domínio da promoção e da comunicação para a saúde, na prevenção do cancro e de outras doenças crónicas. Responsável pela conceção e coordenação de campanhas para a prevenção do cancro. Trabalhou no Marketing Farmacêutico e especializou-se em Gestão e Comunicação da Marca (IPAM – 2003). Autora e fundadora do Stop Cancer Portugal, adotar um estilo de vida saudável. Usa o novo acordo ortográfico. Margarida Vieira, nutritionist, is PhD in Child Studies of the University of Minho. Member collaborator of the Research Centre for Child Studies - CIEC. 
She is author and coordinator of projects for primary prevention in health care as well as in the organization and promotion of workshops on healthy eating habits in the schools. Her current research interests are cancer prevention and other chronic diseases and health communication.
 Responsible for the design and coordination of the awareness of campaigns for the prevention of cancer. Worked in Pharmaceutical Marketing and specializes in Brand Management and Communication. Author and Founder of Stop Cancer Portugal Project.