Gordura corporal e cancro do rim: peso excessivo aumenta o risco

Estar acima do peso ou ter obesidade durante a vida adulta aumenta o risco de cancro do rim.

Anualmente, em Portugal, são diagnosticados cerca de 1200 novos casos de cancro do rim. As taxas de incidência da doença são duas vezes mais altas entre as mulheres e este tipo de cancro ocorre sobretudo nos países mais desenvolvidos, como na Europa e América do Norte.

O último relatório de atualização continua do World Cancer Research Fund, a maior fonte mundial de pesquisa científica sobre prevenção do cancro, confirma que alguns fatores de estilo de vida afetam o risco de desenvolver cancro do rim. Além do tabaco e do álcool, há evidências fortes de que ter excesso de peso ou obesidade aumentam o risco para este tipo de cancro.

Em relação ao peso, as pesquisas apontam para um aumento de 30% do risco de desenvolver cancro do rim por cada acréscimo de 5 kg /m2no IMC e um risco aumentado em 11% por cada 10 cm no perímetro da cintura.

Como é que a gordura corporal excessiva se relaciona e afeta o risco de desenvolver cancro do rim?

Os mecanismos fisiopatológicos específicos pelos quais a obesidade pode agravar o risco de cancro do rim não estão completamente compreendidos. Mas já se sabe que o excesso de gordura corporal afeta diretamente os níveis de insulina em circulação, aumenta o risco de hipertensão arterial – dois fatores positivamente relacionados no desenvolvimento do cancro do rim. Ao mesmo tempo, a obesidade promove um estado de inflamação crónica que é acompanhada por alterações metabólicas e fisiológicas que propiciam o desenvolvimento da carcinogénese.

Quando a gordura corporal é excessiva, esse excesso traduz-se no aumento de tecido adiposo e de mais células de gordura, conhecidas por adipócitos e que produzem e põem em circulação concentrações mais elevadas de alguns fatores pró-inflamatórios: o fator de necrose tumoral alfa, a interleucina-6 e proteína C reativa. Um indivíduo com obesidade tem concentrações mais elevadas destas substâncias inflamatórias comparativamente a um indivíduo com eutrofia.

Portugal apresenta uma das mais altas prevalência de obesidade na idade adulta da Europa. Prevenir o excesso de peso e a obesidade contribui para diminuir o risco de desenvolver cancro do rim.
Procure a prevenção de um para prevenir outras doenças crónicas ligadas à alimentação desequilibrada e ao sedentarismo.

Referências: World Cancer Research Fund/American Institute for Cancer Research. Continuous Update Project Expert Report 2018. Diet, nutrition, physical activity and kidney cancer. Available at dietandcancerreport.org

Margarida Vieira, nutricionista, licenciada em Ciências da Nutrição (FCNAUP-1991), mestre em Nutrição Clínica (ISCSEM-2008). Doutorada em Estudos da Criança, na especialidade de saúde infantil pela Universidade do Minho. Membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas com a cédula profissional n (...)