Qual é a atitude certa para uma aula de yogaterapia?

Uma aula de yogaterapia procura sobretudo ajudar a desbravar o caminho interior de cada pessoa. A atitude do aluno de yoga deve ser sempre focada nas sensações do corpo e da respiração. Só através da escuta consciente do corpo se consegue chegar à essência de cada um.

Para escutar o corpo é fundamental perceber o silêncio. Aprender o silêncio, saber estar rodeado por ele, em tempos de constante ruído é uma tarefa difícil, diria até muito difícil. Qualquer que seja a direção para que a mente se dirija, o ruído é uma constante. Saber encontrar momentos de absoluto silêncio, locais com ausência ruído é quase uma missão impossível.

O yoga ensina a manter a mente focada. É como um método de abstração a tudo o que pode ser qualificado como ruído: barulhos quotidianos e pensamentos recorrentes, sem carater assertivo, por exemplo. Quando a mente se encontra focada parece possível perceber o silêncio, ou seja, a não identificação com o que nos rodeia pode ser considerado como uma forma de silêncio.

A primeira meta da aula de yogaterapia é permitir que o aluno perceba este silêncio, a ausência da identificação com o que o rodeia, na busca da consciencialização do corpo, da respiração e da mente. Só quando se escuta o corpo é que se percebe o que é importante para ele. Durante este processo, é possível avaliar se uma postura pode ir mais além daquilo que se consciencializa. Conscientemente a prática de uma asana (postura) é realizada da maneira que achamos que conseguimos fazer mas, quando se escuta o corpo, quando se percebe como é ele e como funciona, essa mesma postura pode ser alterada e construída de uma maneira mais profunda. Uma postura de yoga por muito simples que seja, está sempre em construção por parte do aluno, há sempre novas formas de a ver e de a explorar. A consciência do corpo é a melhor ferramenta que o aluno deve aprender a dominar.

Quando se coloca plena atenção na prática da respiração e da capacidade respiratória e como esta contribui para uma cada vez melhor construção da postura (asana), então surge a consciência do domínio da mente sobre o corpo e sobre toda a sua atividade.

Muitos de nós já tivemos a experiência das múltiplas respostas que vêm do silêncio. O silêncio é uma das mais poderosas formas de expressão. A verdadeira comunhão entre duas pessoas, assenta mais na forma expressiva do corpo, do olhar, do toque, do que da verbalização em si. Esta comunhão silenciosa entre a mente e o corpo, este saber escutar a linguagem corporal é a base para que a aula de yogaterapia seja realmente uma experiência benéfica e gratificante para o praticante. Ao escutar o silêncio interior saberemos mais de nós mesmos, das nossas capacidades e potencialidades.

Pratique yoga e perceba tudo o que é para além do que julga ser. Encontre-se consigo mesmo. Abrace o bem-estar e a harmonia interior.

Fonte Imagem: https://inspi.com.br/2017/04/fotografo-combina-yoga-e-caos-urbano-em-fotos-incriveis/

Alexandra Pereira, professora de yoga através da AIPYS-Asociación Internacional de Profesores de Yoga Sananda, Espanha 2000. Licenciada em Filosofia (FLUP 1988). Mestrado em Filosofia: “A filosofia do yoga: da prática a uma filosofia de vida” ( FLUP 2019) Exerce a sua actividade profissi (...)