Regresso à escola em tempos COVID-19: mais refeições em casa

O regresso à escola em tempos COVID-19 será diferente de todos os anos letivos anteriores. Antes do COVID-19 metade das refeições das crianças davam-se no ambiente escolar: lanche da manhã, almoço e lanche da tarde.

Nos últimos meses as crianças têm passado mais tempo em casa e a responsabilidade dos pais com a rotina alimentar aumentou. Agora, pais e mães têm a seu cargo todas as refeições. Há mais refeições em casa. Dá mais trabalho, mas com a alimentação dos mais novos não se deve facilitar. Um desenvolvimento infantil correto está dependente da implementação de um plano de alimentação saudável diário.

Quando planeamos antecipadamente as refeições e a prioridade é a saúde, estamos à partida a proporcionar condições para melhorar a qualidade dessas refeições, e atingir os requisitos básicos de uma alimentação saudável: variedade, equilíbrio e a presença assegurada de todos os grupos da Roda dos Alimentos.

A primeira sugestão é que inclua as crianças no planeamento das refeições. Organize com eles uma ementa para sua casa, para sete dias e peça-lhe a sua aprovação. Aproveite a ocasião e mostre o livro de receitas que recebeu da sua avó e incentive-os a explorar receitas. Concentre-se nas refeições principais: o almoço e o jantar. Em seguida avance para os lanches, e nessa altura, lembre-os que os melhores lanches são os nutritivos, para assim decidirem excluir os lanches muito doces ou muito salgados.

O planeamento das semanas seguintes será mais fácil.  E com o consenso de todos terá organizado a ementa da casa para uma rotação mensal. Afixe a ementa de cada semana na zona onde fazem as refeições.

Depois do planeamento, passe à ação. Requisite novamente as crianças para tarefas de preparação e confeção das refeições. Quando as crianças participam e são elementos ativos, é mais provável que experimentem novos alimentos, e isso leva-os à descoberta de novos sabores, aumentando a variedade alimentar, uma premissa básica para uma nutrição correta ao longo da vida. Portanto, a segunda sugestão é desafia-los a descascar legumes, cortar vegetais, lavá-los bem, além de escrever a lista das compras para as ementas previamente aprovadas.

Uma criança aprende em qualquer lugar, quando está motivada e é um elemento ativo no processo educativo.

A hidratação é uma prioridade e promover a água às refeições é outro aspeto a cuidar. Ensine-os a cortar pequenos pedaços de fruta para adicioná-los à água, uma tarefa que possibilita a composição dos seus próprios refrescos, com sabores de fruta de verdade.

Com as novas regras de segurança para tempos COVID-19, as compras online ganharam mais espaço comercial.

Um carrinho virtual pode contribuir para que se faça as compras certas, implementando o seu plano de alimentação saudável em casa. Em primeiro lugar, ao carrinho adicione os alimentos básicos como fruta, vegetais, pão de mistura, massas integrais, lacticínios, carnes magras e ovos. A fruta e os vegetais congelados, alguns enlatados e alimentos secos são também boas opções, por terem uma vida útil mais longa. Leguminosas como o feijão, lentilhas e grão de bico dão excelentes acompanhamentos, muito ricos nutricionalmente, permitindo seguir uma dieta de base vegetal. As sobremesas doces fazem parte da alimentação saudável, por isso as guloseimas devem estar comtempladas na ementa semanal, mas as crianças devem ser orientadas para um consumo correto destes diferentes tipos de guloseimas. São para momentos especiais!

Navegar na internet de carrinho virtual é uma experiência diferente de caminhar pelos corredores dos hipermercados. Nos corredores apinhados de produtos, saltam à vista os pacotes mais coloridos, das bolachas, dos pseudossumos e de outros produtos processados que nos confundem e conseguem baralhar as nossas escolhas alimentares. Por isso, finalizo com outra sugestão em tempos COVID-19: com a lista de compras, pegue no carrinho virtual e vá com eles às compras online, mas siga à risca o que previamente foi escrito.

Créditos da imagem: https://www.activekids.com/cooking/articles/tips-for-teaching-kids-to-cook

Margarida Vieira, nutricionista, licenciada em Ciências da Nutrição (FCNAUP-1991), mestre em Nutrição Clínica (ISCSEM-2008). Doutorada em Estudos da Criança, na especialidade de saúde infantil pela Universidade do Minho. Membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas com a cédula profissional nº 0052N. Investigadora na Fundação para a Ciência e Tecnologia (2011-2015). Membro do Centro de Investigação em Estudos da Criança – CIEC. Desenvolve a sua atividade na Investigação e na área da Nutrição Clínica. É autora e coordenadora de projectos de prevenção primária na área da saúde, bem como na organização e dinamização de seminários sobre hábitos alimentares saudáveis, predominantemente em ambiente escolar. Os seus atuais interesses de investigação, são no domínio da promoção e da comunicação para a saúde, na prevenção do cancro e de outras doenças crónicas. Responsável pela conceção e coordenação de campanhas para a prevenção do cancro. Trabalhou no Marketing Farmacêutico e especializou-se em Gestão e Comunicação da Marca (IPAM – 2003). Autora e fundadora do Stop Cancer Portugal, adotar um estilo de vida saudável. Usa o novo acordo ortográfico. Margarida Vieira, nutritionist, is PhD in Child Studies of the University of Minho. Member collaborator of the Research Centre for Child Studies - CIEC. 
She is author and coordinator of projects for primary prevention in health care as well as in the organization and promotion of workshops on healthy eating habits in the schools. Her current research interests are cancer prevention and other chronic diseases and health communication.
 Responsible for the design and coordination of the awareness of campaigns for the prevention of cancer. Worked in Pharmaceutical Marketing and specializes in Brand Management and Communication. Author and Founder of Stop Cancer Portugal Project.