O yoga na hipertensão

A agitação do dia-a-dia, estabelece muitas vezes um desequilíbrio, entre a capacidade individual e a exigência colocada na resposta às solicitações. Muita desta exigência ou é feita por elementos externos à pessoa ou é fruto da pressão de agir sempre de forma correta e otimizada.

O nível de ansiedade pode levar a picos, mais ou menos, intensos de tensão física e mental que, de uma forma geral acarreta dor física e a vários estados emocionais (angústia, ansiedade, etc.), situações das quais pode surgir um quadro de hipertensão.

O stress é importante na vida de todos, sem ele muitas das situações que vivemos não dariam prazer. É fundamental encontrar o equilíbrio entre a necessidade e a capacidade de agir. Para encontrar esse equilíbrio deve procurar-se atuar com equanimidade, seguindo uma linha de pensamento positivo e procurando uma forma de agir que esteja de acordo com as caraterísticas emocionais de cada um.

Um dos piores inimigos desta atitude perante a vida é o constante julgamento sobre cada uma das atitudes que se tem. O yoga considera que, uma das ferramentas mais importantes para gerir o stress e os quadros de hipertensão associados, é a consciência de si. Só quando se percebe porque se age, se sente e se faz, se consegue alcançar o equilíbrio entre aquilo que se é e a forma de atuar. Só desta forma se obtém a equanimidade, ou seja, um estado de quietude e tranquilidade em todas as situações.

Outro dos fatores importantes para gerir o stress e os quadros de hipertensão associados, é propiciar movimento físico: caminhar, correr, praticar yoga, ou qualquer outra atividade que se enquadre na maneira de ser de cada indivíduo, só ou acompanhado, para que a mente se concentre no prazer do momento, alheando-se das preocupações, da resistência emocional a um acontecimento, ou à necessidade de corresponder ao espectável.

As várias técnicas de yoga: o relaxamento, as técnicas de respiração, a prática de posturas e a meditação, aliadas à sua prática regular pode contribuir para a redução dos níveis de stress. A atenção mental que se coloca na prática de cada uma das técnicas que constitui uma aula de yoga, permite o alheamento dos problemas do dia-a-dia. O relaxamento, as técnicas de respiração e a meditação, são a base para uma mente calma e equânime, que é a porta principal para a consciência de si. A respiração contribui de forma inequívoca para relaxar mente e corpo. É fundamental para o equilíbrio pessoal, conhecer-se a si mesmo, física, emocionalmente e psicologicamente. Só assim poderá entender e agir de acordo com a sua perspetiva do mundo, contribuindo para um mundo mais profícuo.

Quando sentir um pico de stress, procure um local tranquilo e sente-se. Respire de forma calma e profunda. Hoje em dia até os relógios smart watch incorporaram uma funcionalidade de respirar profundamente, quando os níveis de aceleração cardíaca se tornam elevados. Este estado de tranquilidade da mente contribui para aliviar as tensões físicas, mentais e emocionais, contribuindo para o equilíbrio físico e mental. Este estado de equilíbrio permite que o stress, angústia, ansiedade e quadros de hipertensão associados a estados emocionais tendam a desaparecer. Consulte sempre o seu médico. Como professora de yoga, ao longo dos anos, constatei a importância da prática de yoga na regulação do stress e estados de hipertensão associados. Alguns destes alunos, surgem por  recomendação de cardiologistas.

A prática de yoga oferece uma resposta eficaz no controlo da mente, em criar opções de linhas de pensamento que permitem encontrar o caminho da serenidade, da confiança pessoal e da autodisciplina. Para chegar lá, procure um professor de yoga devidamente certificado.

 

Alexandra Pereira

Alexandra Pereira, professora de yoga através da AIPYS-Asociación Internacional de Profesores de Yoga Sananda, Espanha 2000. Licenciada em Filosofia (FLUP 1988). Mestrado em Filosofia: “A filosofia do yoga: da prática a uma filosofia de vida” ( FLUP 2019) Exerce a sua actividade profissi (...)