Como podemos salvar as tradições culinárias e a nossa identidade?

O que comiam os nossos bisavós? Quantos alimentos fizeram parte da mesa da nossa família e das tradições culinárias que estão a ficar esquecidas ou simplesmente são desconhecidas?

Por todo o mundo há milhares e diferentes comunidades e, com elas, há histórias de alimentos que estão a ser esquecidas. As raízes e as tradições culinárias que foram a base da alimentação dos povos de todo o mundo estão a desaparecer rapidamente, por causa da agricultura industrializada e do conceito ocidental de dieta ideal.

Aparna Pallavi é jornalista e a sua pesquisa está ligada ao conhecimento dos alimentos que tradicionalmente fazem parte da cultura da Índia e dos seus povos indígenas. Na sua palestra para o canal TED explora as razões pelas quais as tradições culinárias dos nossos antepassados estarem a desaparecer da vida e das memórias das pessoas.

Aparna Pallavi toma o exemplo do seu país, para alertar para o desaparecimento abrupto de alimentos que sempre fizeram parte da dieta desse povo para revitalizar a nossa conexão com alimentos essenciais: “a Índia moderna está presa ao arroz, ao trigo e à diabetes. Esquecemos totalmente alguns alimentos, como uma enorme variedade de tubérculos, a seiva de árvores, peixe, mariscos, óleo de sementes, moluscos, cogumelos, insetos, carne de pequenos animais, tudo o que estava disponível à nossa volta.”

Como podemos salvar a comida e as tradições culinárias dos nossos antepassados?
Além da política económica desfavorável e das razões ecológicas, Aparna Pallavi defende que a vergonha é um fenómeno humano que contribui substancialmente para que o moderno cabaz de alimentos seja cada vez mais limitado. E qual é a solução? Um plano de revitalização dos costumes para ajudar a reintroduzir a comida indígena e os alimentos não cultivados, colhidos ou apanhados do chão que identificam povos e culturas. Assista agora ao vídeo disponibilizado pelo canal TED, com legendas em português.

Margarida Vieira

Margarida Vieira, nutricionista, licenciada em Ciências da Nutrição (FCNAUP-1991), mestre em Nutrição Clínica (ISCSEM-2008). Doutorada em Estudos da Criança, na especialidade de saúde infantil pela Universidade do Minho. Membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas com a cédula profissional n (...)