Sementes de cânhamo: inteiras, trituradas ou em óleo?

O cânhamo é uma planta vegetal da espécie Cannabis sativa L. e que apesar de ser uma variedade Cannabis contém o agente psicotrópico Δ6-tetra-hidrocanabinol (THC) em quantidades vestigiais. Por isso, é seguro consumir como alimento.

Todas as partes da planta são utilizadas: o caule rico em fibras e habitualmente usado na produção de tecido e papel, as folhas e as sementes são utilizadas na alimentação e o óleo extraído das sementes é aproveitado tanto na alimentação como na produção de produtos não alimentares, como por exemplo, óleo de secagem das tintas.

Falemos das sementes de cânhamo. Podem ser consumidas inteiras com ou sem casca, contudo as sementes com casca são mais rígidas e têm um sabor ligeiramente amargo. Assim, recomendo o consumo das sementes sem casca, por serem mais macias e com um sabor suave a noz.

As sementes de cânhamo vão acrescentar benefícios nutricionais ao seu dia. Em 100 gramas destas sementes, obtemos 33 gramas de proteínas vegetais, estando como principais a edestina e a albumina. São facilmente digeríveis e contém todos os aminoácidos essenciais, com principal destaque para o ácido glutâmico (6,3 g por 100 g) e a arginina (4,7 g por 100 gramas). O seu conteúdo em fibras alimentares é interessante: 4 gramas por 100 g de sementes, evidenciando-se as fibras insolúveis, tão importantes na estimulação da motilidade do intestino.

Nestas sementes encontram-se alguns minerais: fósforo (1650 mg), potássio (1200 mg), magnésio (700 mg) e cálcio (70 mg) em 100 g de peso edível. Acrescentemos também algumas vitaminas do complexo B: vitamina Bou niacina (9mg), vitamina Bou tiamina (1,3 mg) e vitamina Bou riboflavina (0,3 mg).

Existe diversas formas de consumir as sementes de cânhamo. Se optar por as consumir inteiras, adicione em batidos de fruta, em saladas, nas granolas artesanais e nas papas de cereais caseiras. Se as triturar obtém farinha que pode usar na confeção de pão ou bolos, com a vantagem de ser uma farinha apta para doentes celíacos, por ser isenta de glúten. O óleo extraído das sementes e rico em gorduras polinsaturadas, pode ser utilizado para temperar saladas e na confeção de molhos caseiros. Anote-as na sua próxima lista de compras.

Referências: Dunford, N.T (2015).Hemp and flaxseed oil: Properties and applications for use in food. Specialty Oils and Fats in Food and Nutrition.http://dx.doi.org/10.1016/B978-1-78242-376-8.00002-8  ;Addlesperger,E. (2015). Hemp. Journal of Agricultural & Food Information, 16:196–202, 2015.; Wang, Q. and Xiong, Y. (2019). Processing, nutrition, and functionality of hempseed protein: a review. Institute of food tecnhologists.Comprehensive Reviews in Food Science and Food Safety _ Vol.18,2019.; Callaway, J.C. (2004). Hempseed as a nutritional resource: An overview. Department of Pharmaceutical Chemistry, University of Kuopio. Euphytica 140: 65–72, 2004. National Nutrient Database for Standard Reference. Acedido em 28 de junho de 2020 no website do United States Department of Agriculture , Agricultural Research Service : https://fdc.nal.usda.gov/fdc-app.html#/food-details/170148/nutrients;Créditos da imagem: https://pixabay.com/images/id-3894009/

Catarina Santos

Catarina dos Santos, natural de Alpedrinha, Fundão – Portugal, licenciada em Nutrição Humana e Qualidade Alimentar (ESACB-2012) e em Dietética (ESSLei – 2016). Atualmente, é Nutricionista (4167N) na área da Nutrição Clinica e na área da Nutrição Comunitária e de Saúde Pública. Inte (...)