Cancro do pulmão: reduza o seu risco

O cancro do pulmão é o mais frequente tipo de cancro no mundo e também o mais mortal. Em 2018 registaram-se no Mundo 2 093 876 novos casos e 1 761 007 mortes por cancro do pulmão. A maior incidência verifica-se no continente asiático (58,5%) e na Europa (22,4%). Em Portugal, registaram-se 5 284 novos casos em 2018, a maioria dos quais em homens.

A principal causa de cancro do pulmão é bem conhecida. Estima-se que mais de 90% dos casos em homens e 80% em mulheres sejam atribuíveis ao uso de tabaco. Os principais agentes responsáveis são os compostos carcinogénicos que se encontram no tabaco, tal como carvão, que podem interagir com o DNA das células do pulmão.

Apesar de ser a causa principal para o desenvolvimento de cancro do pulmão, não é um fator de risco exclusivo para este tipo de cancro. Fumar aumenta o risco de desenvolver cancro do rim, bexiga, colorretal, pâncreas, estômago, boca, laringe e faringe, nasofaringe e ovário. Os principais agentes responsáveis são os compostos carcinogénicos que se encontram no tabaco, tal como carvão, que podem interagir com o DNA das células do pulmão.

A toma de altas doses de suplementos de beta-caroteno (20mg/dia), tanto por atuais como ex-fumadores, aumenta o risco de desenvolver cancro do pulmão. No entanto, o consumo de alimentos que contenham retinol, beta-caroteno ou carotenoides pode diminuir o risco.

Há alguma evidência que aponta como fatores de risco a considerar, o consumo de carne vermelha, de carne processada e de bebidas alcoólicas.

O consumo de vegetais e frutas pode contribuir para reduzir o risco de desenvolver cancro do pulmão tanto em fumadores como em ex-fumadores. O consumo destes alimentos é extremamente relevante para a prevenção de qualquer tipo de cancro, sendo recomendada a ingestão de um mínimo 5 porções ou 400g por dia.

Consideram-se também fatores potencialmente protetores para o cancro do pulmão:
– o consumo de alimentos ricos em vitamina C para atuais e ex-fumadores
– o consumo de alimentos que contenham isoflavonas por pessoas que nunca fumaram

A atividade física, assim como a redução dos tempos sedentários, tem inúmeros benefícios para a saúde, sendo também apontada como um fator relevante na redução do risco de desenvolver cancro do pulmão.

Referências: Global Cancer Observatory (http://gco.iarc.fr/), International Agency for Research on Cancer 2018. World Cancer Research Fund/American Institute for Cancer Research.Continuous Update Project Expert Report 2018.Diet, nutrition and physical activity and lung cancer.Available at dietandcancerreport.org. Crédito das imagens: kalhh

Inês Correia

Inês Almada Correia, nutricionista, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas 3684N, pós- graduada em Nutrição em Oncologia pela Universidade Católica Portuguesa. Tem colaborado com a Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL) em atividades, tais como workshops sobre alimentação direc (...)