Linhaça e cancro da mama

A linhaça é a semente do linho e é rica em vários nutrientes, como as fibras (1 colher de sopa tem cerca de 8 g de fibras), os ácidos gordos ómega-3 e os lignanos. Estes últimos são um tipo de fitoestrogénios, ou seja, são compostos vegetais similares aos estrogénios. Por este motivo, o consumo de lignanos e, logo, de linhaça por mulheres com cancro da mama com recetores estrogénio positivos (ER+) e com cancro do endométrio, bem como em homens com cancro da próstata, tem levado a alguma controvérsia.

Linhaça e desenvolvimento do cancro

Devido à “parecença” referida, os lignanos presentes na linhaça podem alterar o metabolismo dos estrogénios. Após a menopausa, influenciam a produção dos mesmos, levando a que o organismo sintetize formas menos ativas de estrogénio, o que parece reduzir o risco de cancro da mama. Vários estudos em mulheres têm confirmado esta hipótese, mostrando que a inclusão de lignanos na alimentação está associada a uma diminuição do risco da doença.

Alguns estudos também têm mostrado que a ingestão de ómega-3, outro componente da linhaça, está associada a uma redução do risco de cancro da mama.

Para além do referido, os lignanos da dieta parecem estar relacionados com tumores menos agressivos, em mulheres diagnosticadas com cancro da mama. Assim, mulheres que já os incluíam antes do diagnóstico parecem apresentar tumores com características associadas a menor agressividade.

Quando a doença já está instalada, adicionar linhaça à dieta pode diminuir o crescimento das células cancerígenas, através do aumento da apoptose e da inibição da metastização. Para este efeito, podem contribuir os ómega-3 (ácido alfa-linolénico) e os lignanos.

Estudos em animais mostraram que o ácido gordo ómega-3 alfa-linolénico pode diminuir o crescimento, o tamanho e a proliferação das células cancerígenas, aumentando, por outro lado, a apoptose.

Vários estudos com mulheres com cancro da mama concluíram que a linhaça parece reduzir o crescimento tumoral, principalmente em mulheres pós-menopausa.

Também em células cancerígenas com recetores estrogénio negativos (ER-), os lignanos podem diminuir o crescimento e disseminação do cancro da mama. Este facto sugere que a linhaça pode ter benefícios anti-cancerígenos para além dos relacionados com o efeito nos estrogénios ou no metabolismo dos mesmos.

Linhaça e tratamento para o cancro da mama

No tratamento do cancro da mama, o tamoxifeno é prescrito com frequência a mulheres com ER+.
A maioria dos estudos concluíram que a linhaça mantém ou aumenta a eficácia do tamoxifeno na diminuição do crescimento do tumor, na proliferação das células cancerígenas e no aumento da apoptose. Apesar de ainda não haver evidência científica suficiente que confirme esta associação entre linhaça e tamoxifeno, a adição da linhaça à dieta parece ser promissora.

Linhaça: que quantidade e como consumir?

Embora pareça haver benefícios no consumo de linhaça (pela sua riqueza em lignanos), são necessários mais estudos, especialmente, ensaios clínicos. Até lá, recomenda-se que a ingestão deva ser feita apenas através da alimentação e não de suplementação, numa quantidade de até 2-3 colheres de sopa por dia.

Quanto à forma de consumo, no mercado a linhaça pode ser encontrada inteira, em flocos, em farinha, triturada e em óleo, todas elas com benefícios para a saúde. Contudo, triturar ou moer a linhaça pode aumentar a absorção dos lignanos de 28 a 43 %. Em relação ao ácido alfa-linolénico, a forma inteira da linhaça disponibiliza menor quantidade que o óleo ou qualquer forma em que a semente tenha sido reduzida.

Referências: Adlercreutz H et al. Determination of urinary lignans and phytoestrogens metabolites, potential antiestrogens and anticarcinogens, in urine of women on various habitual diets. J Steroid Biochem 1986;25:791-7; Calado A et al. The effect of flaxseed in breast cancer: a literature review. Font Nutr. 2018; 5: 4; Chen J et al. Dietary flaxseed inhibits human breast cancer growth and metastatis and downregulates expression of insulin-like growth factor and epidermal growth factor receptor. Nutr Cancer 2002;43:187-92; Chen J et al.. Flaxseed and its components reduce metastasis after surgical excision of solid human breast tumor in nude mice. Cancer Lett 2006;234:168-75; Chen J et al. Dietary flaxseed enhances the inhibitory effect of tamoxifen on the growth of estrogen-dependent human breast cancer (mcf-7) in nude mice. Clin Cancer Res 2004;10:7703-11; Chen J et al. Dietary flaxseed interaction with tamoxifen induced tumor regression in athymic mice with MCF-7 xenografts by downregulating the expression of estrogen related gene products and signal transduction pathways. Nutr Cancer 2007. 58:162-70; Chen J et al. Flaxseed alone or in combination with tamoxifen inhibits MCF-7 breast tumor growth in ovariectomized athymic mice with high circulating levels of estrogen. Exp Biol Med (Maywood) 2007;232:1071-80; Kuijsten, et al. The relative bioavailability of enterolignans in humans is enhanced by milling and crushing of flaxseed. J Nutr. 2005;135(12):2812-2816; Lee J & Cho K. Flaxseed sprouts induce apoptosis and inhibit growth in MCF-7 and MDA-MB-231 human breast cancer cells. In Vitro Cell Dev Biol Anim 2012;48(4):244-50; McCann SE et al. Dietary intakes of total and specific lignans are associated with clinical breast tumor characteristics. J Nutr 2012;142(1):91-8.23; McCann SE et al. Dietary lignan intakes in relation to survival among women with breast cancer: the Western New York Exposures and Breast Cancer (WEB) Study. Breast Cancer Res Treat 2010;122(1):229-35; Patisaul HB & Jefferson W. The pros and cons of phytoestrogens. Front Neuroendocrinol. 2010;31(4):400-419; Serriano M & Thompson LU. The effect of flaxseed supplementation on the initiation and promotional stages of mammary tumorgenesis. Nutr Cancer1992;17:153-9; Serriano M & Thompson LU. The effect of flaxseed supplementation on early risk markers for mammary carcinogenesis. Cancer Lett 1991;60:135-42; Sung MK et al. Mammalian lignans inhibit the growth of estrogen-independent human colon tumor cells. Anticancer Res 1998;18:1405-8; Thompson LU et al. Dietary flaxseed alters tumor biological markers in postmenopausal breast cancer. Clin Cancer Res 2005;11:3828-35; Thompson LU et al. Variability in anticancer lignan levels in flaxseed. Nutr Cancer 1997;27:26-30; Wang L et al. The inhibitory effect of flaxseed on the growth and metastasis of estrogen receptor negative human breast cancer xenografts is attributed to both its lignans and oil components. Int J Cancer 2005;116:793-8. Fontes de imagens: https://www.healthline.com/nutrition/how-to-grind-flaxseeds; https://nutritionfacts.org/2013/10/17/flaxseeds-breast-cancer-survival/

Dina Raquel João

Dina Raquel João, nutricionista, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas nº0204N, mestre em nutrição clínica pela Universidade  do Porto. Iniciou a sua atividade profissional em 2001 e, atualmente, além de exercer prática clínica em consultório privado e em meio hospitalar, a su (...)