Amamentação nos primeiros meses de vida: maior proteção

A amamentação nos primeiros meses de vida é fundamental para o crescimento saudável do bebé, assegurando a ingestão de todos os nutrientes necessários em cada fase destes primeiros meses. A Organização Mundial de Saúde recomenda a amamentação exclusiva nos primeiros 6 meses de vida, com inicio ideal 1h após o nascimento e estendendo-se até aos 2 anos.

O leite materno é uma fonte de nutrientes completa, segura e a sua constituição vai-se alterando com o crescimento do bebé, adaptando-se a cada fase do crescimento. Para além dos nutrientes necessários, o leite materno é também uma fonte de anticorpos, contribuindo para o desenvolvimento adequado do sistema imunitário e para a proteção contra infeções na infância. Com a amamentação também é assegurado o desenvolvimento adequado do sistema gastrointestinal do bebé.

Alguns dos benefícios atribuídos à amamentação incluem um menor risco de desenvolver asma e diabetes tipo 2 tanto na infância como na idade adulta e menor risco de depressão pós-parto, doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2 para a mãe.

Em países em desenvolvimento, o incentivo à amamentação é também uma importante forma de combate à desnutrição e morte infantil, já que nestes países, a desnutrição é a causa de morte de cerca de 45% das crianças com menos de 5 anos.

Apesar dos benefícios, globalmente apenas 40% das crianças são amamentadas até aos 6 meses. Medidas globais que incentivem e facilitem a amamentação são fundamentais para que a melhoria deste indicador seja possível.

Os benefícios da amamentação estendem-se à prevenção do cancro. A amamentação tem um efeito protetor para o cancro da mama  na mãe e para o excesso de peso e obesidade no bebé, reduzindo desta forma o risco de desenvolver certos tipos de cancro, que apresentam maior risco na presença de excesso de peso e obesidade.

Em situações em que a amamentação seja contraindicada ou em que não seja possível amamentar, deverão ser selecionadas formulas comerciais adaptadas à fase de vida do bebé.

Referências: World Cancer Research Fund/American Institute for Cancer Research.Continuous Update Project Expert Report 2018. Recomendations and public health and policy implications.Available at dietandcancerreport.org; https://thousanddays.org em [5/10/2019]; who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/malnutrition, acesso em [5/10/2019]; who.int/features/factfiles/breastfeeding/en/ , acesso em [5/10/2019].Crédito das imagens:Imagem de Alfonso Cerezo e mcmurryjuliepor Pixabay

Inês Correia

Inês Almada Correia, nutricionista, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas 3684N, pós- graduada em Nutrição em Oncologia pela Universidade Católica Portuguesa. Tem colaborado com a Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL) em atividades, tais como workshops sobre alimentação direc (...)