Exercício físico regular e o risco do cancro do endométrio

O exercício físico regular pode reduzir o risco do cancro do endométrio. Os estudos apontam para uma diminuição desse risco de 20 a 40%, quando comparado com a inatividade física. Também a manutenção de um peso corporal saudável pode reduzir a incidência deste tipo de cancro em 50%. Praticar exercício físico e manter um peso saudável são dois objetivos importantes para que as mulheres possam prevenir este tipo de cancro.

O mecanismo pelo qual o exercício físico pode reduzir o risco do cancro do endométrio decorre da sua capacidade em baixar os níveis séricos da principal hormona sexual feminina – o estradiol, aumentando os níveis da proteína de ligação ao estradiol (em inglês sex hormone-binding globulin – SHBG). Por outro lado, sabe-se que o exercício físico ajuda a controlar o peso corporal, durante a idade adulta.

Um aumento dos níveis de atividade física para pelo menos 30 minutos diários e sustentado, aumenta a taxa metabólica e o consumo de oxigénio. A longo prazo, períodos regulares de exercício aumentam a capacidade metabólica do corpo, reduzindo os níveis sanguíneos de insulina e a resistência à insulina.

As mulheres obesas têm mais do dobro do risco para o cancro do endométrio. A obesidade influencia os níveis de muitas hormonas e fatores de crescimento do corpo humano e que podem promover o crescimento de células cancerígenas. A insulina e a leptina são exemplos de hormonas que se encontram em níveis elevados nas pessoas com obesidade. Além disso, a resistência à insulina aumenta com a presença de níveis de gordura abdominal elevados e o pâncreas tenta compensar esse aumento com maior produção de insulina. Essa hiperinsulinemia contribui para o aumento do risco do cancro do endométrio.

Em Portugal, no ano de 2018, registaram-se mais de 1000 novos casos de cancro do endométrio, ocupando o 9º lugar da lista das doenças oncológicas mais comuns em mulheres.

O excesso de gordura corporal e a inatividade física são dois importantes fatores de risco associados ao cancro do endométrio, mas que podem ser modificáveis. Por isso, todas as mulheres adultas com um índice de massa corporal elevado e que não cumprem as recomendações mínimas de atividade física devem procurar um programa de gestão de peso, para construir novos hábitos de alimentação e de exercício físico.

Referências: World Cancer Research Fund/American Institute for Cancer Research. Continuous Update Project Expert Report 2018. Diet, nutrition, physical activity and endometrial cancer. Available at dietandcancerreport.org.; The Global Cancer Observatory – May, 2019.; Constantine, G. D., Kessler, G., Graham, S., & Goldstein, S. R. (2019). Increased Incidence of Endometrial Cancer Following the Women’s Health Initiative: An Assessment of Risk Factors. Journal of Women’s Health28(2), 237-243. Créditos da imagem: https://www.oncolink.org/cancers/gynecologic/endometrial-and-uterine-cancer/all-about-endometrial-uterine-cancer

Margarida Vieira

Margarida Vieira, nutricionista, licenciada em Ciências da Nutrição (FCNAUP-1991), mestre em Nutrição Clínica (ISCSEM-2008). Doutorada em Estudos da Criança, na especialidade de saúde infantil pela Universidade do Minho. Membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas com a cédula profissional n (...)