Percepções e atitudes sobre a obesidade: quais são as suas?

Existem muitas ideias erradas sobre a obesidade, que contribuem ativamente para bloquear o seu tratamento. Só uma pequena minoria de doentes com obesidade recebe intervenções de estilo de vida, farmacológicas ou cirúrgicas comprovadas clinicamente. Também parece haver fortes obstáculos à implementação de políticas de prevenção da obesidade, de estratégias para a mudança de comportamentos e na formação de profissionais de saúde especializados.

Que percepções e atitudes sobre a obesidade temos? Que soluções alcançámos para controlar uma doença complexa, que impõe um impacto muito negativo na saúde individual e é fonte de estigma social e de preconceito?

O estudo americano ACTION (cujas siglas significam Consciencialização, Cuidados e Tratamento no Controlo da Obesidade) foi há procura de respostas. Examinou as percepções e atitudes sobre a obesidade, bem como sobre os comportamentos e os obstáculos mais previsíveis no tratamento desta doença, por parte de 3 grupos: as pessoas com obesidade (n=3008), os profissionais de saúde (n=606) e pelas entidades patronais (n=153).

As 10 questões seguintes baseadas no questionário do estudo ACTION serviram para refletir sobre uma problemática que aflige cada vez mais pessoas e, em Portugal também.
Responda e compare as suas percepções e atitudes sobre a obesidade com os resultados do estudo.

  1. Qual a proporção de pessoas com obesidade (IMC ≥ 30 kg/m2) que participaram na pesquisa e se considerava obesa?
    A. 50%
    B. 75%
    C. 90%
    D. 100%
  2. Qual a proporção de pessoas com obesidade (IMC ≥ 30 kg / m2) que discutiram um plano de perda de peso com o seu médico/nutricionista nos últimos 6 meses?
    A. 58%
    B. 48%
    C. 38%
    D. 28%
  3. Qual foi o motivo mais comum que os profissionais de saúde deram para não abordarem a questão da perda de peso com os seus doentes com obesidade?
    A. Preocupação com o estado emocional do doente ou por problemas psicológicos
    B. Falta de confiança de que o doente está motivado para perder peso.
    C. Outras questões/preocupações importantes para discutir
    D. Falta de tempo/a consulta não foi suficientemente longa
  4. Qual foi o principal motivo que os doentes deram para não procurar tratamento para a sua obesidade?
    A. Eu não tenho meios financeiros para manter a motivação na perda de peso
    B. Eu acredito que é da minha responsabilidade controlar o meu peso
    C. Eu não me sinto motivado a perder peso
    D. Eu fico com vergonha em falar sobre isso
  5. Qual foi o principal motivo que os profissionais de saúde deram para que os doentes não procurem tratamento para a sua obesidade?
    A. Os doentes não veem o seu peso como um problema médico
    B. Os doentes não acreditam que podem perder peso
    C. Os doentes ficam com vergonha de falar sobre o assunto
    D. Os doentes não se sentem motivados a perder peso
  6. Qual foi a razão mais comum citada pelos doentes como um obstáculo para perder peso?
    A. Falta de exercício
    B. Falta de motivação
    C. Preferência por alimentos não saudáveis
    D. Preço dos alimentos saudáveis
  7. Qual foi a razão mais comum citada pelos especialistas de saúde como um obstáculo dos seus doentes para que se esforcem a perder peso?
    A. Falta de exercício
    B. Falta de motivação
    C. Preferência por alimentos não saudáveis
    D. Preço dos alimentos saudáveis
  8. Qual a proporção de especialista de saúde que concordou com a afirmação “a obesidade é uma doença”?
    A. 90%
    B. 80%
    C. 70%
    D. 60%
  9. Qual a proporção de doentes com obesidade que concordou com a afirmação “a obesidade é uma doença”?
    A. 85%
    B. 75%
    C. 65%
    D. 55%
  10. Qual foi o motivo mais comum que as entidades patronais citaram para oferecer programas de bem-estar no trabalho?
    A. Melhorar a produtividade do trabalho
    B. Melhorar o bem-estar físico dos funcionários
    C. Promover comportamentos saudáveis entre os funcionários
    D. Reduzir prémios do seguro/sinistros

As resposta obtidas no estudo foram as seguintes: 1.A; 2.C; 3.D; 4.B; 5.C; 6.A; 7.A; 8.B; 9.C; 10.D.
Compare com as percepções que tem.

Entre os obstáculos mais citados para que os doentes com obesidade não procurem tratamento para perder peso estão a desmotivação e a falta de exercício físico. No entanto, os doentes com obesidade acreditam que essa desmotivação deve-se a crenças do género: não pedem ajuda para iniciarem um tratamento por sentirem que são os principais responsáveis em controlar o seu peso e, ao mesmo tempo, pensam que sabem o que é necessário para ter sucesso.

Há muito trabalho a fazer para afastar todos os obstáculos já identificados, sobretudo no contexto da comunicação com eficácia, para que a obesidade seja globalmente percebida como uma doença e possa ser devidamente tratada. Os profissionais de saúde devem rastrear os doentes e, os que têm obesidade devem receber o diagnóstico pelo seu médico, ficando documentando. Mas, devem também aconselhar os doentes com obesidade a frequentar um programa de perda de peso sustentado. Só assim, podemos iniciar uma mudança social, promotora da saúde verdadeiramente transformadora.

Referências: Kaplan LM, Golden A, Jinnett K, et al. Perceptions of barriers to effective obesity care: results from the National ACTION StudyObesity (Silver Spring). 2017 Oct 31.; https://www.patientcareonline.com/obesity/obesity-perceptions-and-attitudes-quiz/page/0/5;Imagem de mohamed Hassan por Pixabay 

 

Margarida Vieira

Margarida Vieira, nutricionista, licenciada em Ciências da Nutrição (FCNAUP-1991), mestre em Nutrição Clínica (ISCSEM-2008). Doutorada em Estudos da Criança, na especialidade de saúde infantil pela Universidade do Minho. Membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas com a cédula profissional n (...)