Gengibre: efeito nas náuseas e vómitos provocados pela quimioterapia

As náuseas e os vómitos induzidos pela quimioterapia continuam a ser dos efeitos secundários mais frequentes, atingindo 60 a 80% dos doentes sob este tratamento. Para controlo destes sintomas, muitos doentes recorrem ao gengibre mas o que diz a ciência acerca do seu efeito?

Náuseas e vómitos no cancro nauseas e vomitos

Além de causarem uma sensação de mal-estar, as náuseas e os vómitos podem prejudicar o estado nutricional, contribuindo para um quadro de desnutrição, com repercussões no sistema imunitário, no balanço eletrolítico, na performance e na qualidade de vida. Estes sintomas podem, ainda, dificultar o tratamento, já que pode haver necessidade de reduzir a dose dos citotóxicos, o que influencia a taxa de sucesso.

Náuseas e vómitos: fármacos usados e gengibre como complemento procurado

Os fármacos antieméticos são auxiliares importantes no controlo das náuseas e dos vómitos. Todavia, podem provocar efeitos secundários significativos, como diarreia, dores de cabeça, tonturas e falta de força. Consequentemente, muitos doentes optam por estratégias alternativas. Um dos produtos mais procurados é o gengibre (Zingiber officinale), o qual é conhecido como tendo um efeito antiemético, devido à presença de compostos ativos, como o gingerol, o shogaol, a zingerona e o paradol. Este efeito tem sido estudado na gravidez, no pós-operatório e noutras condições mas a eficácia em doentes com cancro da mama submetidos a quimioterapia tem mostrado resultados controversos.

A medicação antiemética atual, como os antagonistas 5-HT3 (dolasetron, granisetron, ondansetron, palonosetron, tropisetron), previnem a ligação dos neurotransmissores aos seus recetores, no trato gastrintestinal. Embora o mecanismo principal do efeito do gengibre na redução das náuseas e dos vómitos seja desconhecido, pensa-se que possa ser devido ao efeito dose-dependente sobre os recetores 5-HT3 e neuroquinina 1 e sobre a substância P. Assim, o gengibre pode aumentar os efeitos antieméticos das medicações, através da ligação aos recetores.

O gengibre apresenta, ainda, outras propriedades: parece prevenir o dano oxidativo dos tecidos, por estimulação de enzimas específicas, e estudos com animais têm mostrado que aumenta o esvaziamento gástrico e a motilidade intestinal.

Náuseas e vómitos: a controvérsia em torno do gengibre

Como foi referido, têm existido resultados contraditórios acerca da ação do gengibre sobre os vómitos. Uma das explicações pode ser o facto de a administração de antagonistas do recetor 5-TH3 diminuírem significativamente a frequência do sintoma, ao ponto de os doentes que recebem este tipo de medicação poderem não apresentar vómitos a uma frequência suficientemente elevada para responder à intervenção com gengibre.

Outros resultados indicam falta de efeito do gengibre sobre o agravamento das náuseas e dos vómitos com o avançar dos ciclos de quimioterapia, nomeadamente em regimes altamente emetogénicos (com risco elevado de vómitos). Uma das possíveis razões para a falta de efeito do gengibre sobre os efeitos tardios indicado nestes trabalhos pode ser a inclusão de doentes sob regimes altamente emetogénicos, não se avaliando noutro tipo de regimes de risco menos elevado.

Outra razão pode ser o uso de aprepitant, como um fármaco antiemético antagonista dos recetores da neuroquinina 1. O recurso ao mesmo juntamente com o gengibre parece aumentar a gravidade das náuseas, o que indica uma possível interação entre o gengibre e os fármacos antieméticos prescritos, especialmente o aprepitant.

Por outro lado, noutro estudo, a quimioterapia com doxorubicina + ciclofosfamida associada à ingestão de gengibre induziu menos vómitos que no grupo de controlo (sem gengibre). A interação da quimioterapia com a planta ainda não foi totalmente investigada, podendo esta ser mais eficaz em doentes submetidos a regimes específicos de quimioterapia.

As diferenças nas metodologias dos trabalhos realizados, como forma de administração do gengibre (cápsulas de componente ativo, raiz em pó, óleo de gengibre), o momento de administração do mesmo (antes ou após a quimioterapia), entre outros fatores torna difícil tirar conclusões que permitam recomendar o gengibre para a prevenção das náuseas e dos vómitos ou como adjuvante no tratamento dos mesmos, em doentes com cancro da mama submetidos a quimioterapia.

Quanto ao momento do consumo, parece que começar o tratamento com gengibre antes da quimioterapia pode levar a melhores resultados. Todavia, mais estudos são necessários para confirmar.

Relativamente a doses, autores reportaram que uma dose de 0,5 a 1 g de gengibre controlou efetivamente as náuseas agudas, ao passo que uma dose de 1,5 g não foi eficaz. Outros autores indicaram que uma dose de 1 g/dia de gengibre foi mais eficaz contra as náuseas provocadas pelo movimento que uma dose de 2 g. Assim, parece que uma dose de 1 g de gengibre satura todos os recetores, levando a que doses superiores não sejam efetivas.

Numa revisão sistemática e meta-análise, o efeito do gengibre sobre as náuseas e os vómitos induzidos pela quimioterapia em todos os cancros foi investigado e concluiu que não existe evidência que suporte o uso de gengibre para prevenir as náuseas e os vómitos induzidos pela quimioterapia. Contudo, cada cancro tem um protocolo terapêutico específico e cada protocolo pode exercer diferentes taxas de náuseas.

Náuseas e vómitos: conclusões relativas ao consumo de gengibre

Embora o gengibre seja, muitas vezes, recomendado no controlo das náuseas e dos vómitos induzidos pela quimioterapia, são necessários estudos metodologicamente mais rigorosos. Será importante analisar os regimes de quimioterapia, o uso de antieméticos, os fatores de risco para desenvolvimento de náuseas e vómitos, a preparação da forma de administração do gengibre, a dose de gengibre/componente ativo administrado e a duração da intervenção com o mesmo. Só assim será possível compreender o seu efeito na prevenção e/ou controlo das náuseas e dos vómitos induzidos pela quimioterapia.

Em conclusão, a ciência sugere que o gengibre pode reduzir as náuseas na fase aguda da quimioterapia, em doentes com cancro da mama. O efeito noutras condições requer mais estudos para estabelecer com firmeza a eficácia clínica da planta.

Referências: Palate at al. (2013). Ginger in the prevention of nausea and vomiting: A review. Critical Reviews in Food Science and Nutrition, 53(7), 659–669; Ryan et al. (2012). Ginger (Zingiber officinale) reduces acute chemotherapy‐induced nausea: A URCC CCOP study of 576 patients. Supportive Care in Cancer, 20(7), 1479–1489; Wang et al. (2014). Aprepitant in the prevention of vomiting induced by moderately and highly emetogenic chemotherapy. Asian Pacific Journal of Cancer Prevention, 15(23), 10045–10051; Navari & Aapro (2016). Antiemetic prophylaxis for chemotherapyinduced nausea and vomiting. New England Journal of Medicine, 374(14), 1356–1367; Harris at al. (2012). Prevalence of complementary and alternative medicine (CAM) use by the general population: A systematic review and update. International Journal of Clinical Practice, 66(10), 924–939; Jiyeon Lee (2013). Ginger as an antiemetic modality for chemotherapyinduced nausea and vomiting: A systematic review and meta‐analysis. Artigo apresentado no Oncology Nursing Forum; Zick et al. (2009). Phase II trial of encapsulated ginger as a treatment for chemotherapy‐induced nausea and vomiting. Supportive Care in Cancer, 17(5), 563–572; Arslan & Ozdemir (2015). Oral intake of ginger for chemotherapyinduced nausea and vomiting among women with breast cancer. Clinical Journal of Oncology Nursing, 19(5), E92–E97; Panahi et al. (2012). Effect of ginger on acute and delayed chemotherapy‐induced nausea and vomiting: A pilot, randomized, open‐label clinical trial. Integrative Cancer Therapies, 11(3), 204–211; Sanaati et al. (2016). Effect of ginger and chamomile on nausea and vomiting caused by chemotherapy in iranian women with breast cancer. Asian Pacific Journal of Cancer Prevention, 17(8), 4125–4129; Thamlikitkul et al. (2017). Efficacy of ginger for prophylaxis of chemotherapy‐induced nausea and vomiting in breast cancer patients receiving adriamycin–cyclophosphamide regimen: A randomized, double‐blind, placebocontrolled, crossover study. Supportive Care in Cancer, 25(2), 459–464; Marx et al. (2014). Can ginger ameliorate chemotherapy‐induced nausea? Protocol of a randomized double blind, placebo‐controlled trial. BMC Complementary and Alternative Medicine, 14(1), 134; Herrstedt et al. (2007). Anti‐emetic therapy in cancer chemotherapy: Current status. Basic & Clinical Pharmacology & Toxicology, 101(3), 143–150; Geiger (2005). The essential oil of ginger, Zingiber officinale, and anaesthesia. International Journal of Aromatherapy, 15(1), 7–14; Giacosa et al. (2015). Can nausea and vomiting be treated with ginger extract. European Review for Medical and Pharmacological Sciences,19(7), 1291–1296; Schnell (2003). Chemotherapy‐induced nausea and vomiting: The importance of acute antiemetic control. The Oncologist, 8(2), 187–198; Ansari et al. (2016). Efficacy of ginger in control of chemotherapy induced nausea and vomiting in breast cancer patients receiving doxorubicin‐based chemotherapy. Asian Pacific Journal of Cancer Prevention, 17(8), 3877–3880; Yekta et al. (2012). Ginger as a miracle against chemotherapy‐induced vomiting. Iranian Journal of Nursing and Midwifery Research, 17(5), 325–329; Lien et al. (2003). Effects of ginger on motion sickness and gastric slow‐wave dysrhythmias induced by circular vection. American Journal of Physiology‐Gastrointestinal and Liver Physiology, 284(3), G481–G489. Totmaj et al. (2019). The effect of ginger (Zingiber officinale) on chemotherapyinduced nausea and vomiting in breast cancer patients: A systematic literature review of randomized controlled trials. Phytotherapy Research. 1–9. Fontes de imagens: https://www.pinterest.pt/pin/411305378453239501/?lp=true; https://nit.pt/fit/alimentacao-saudavel/misturar-alho-com-agua-e-uma-das-novas-grandes-tendencias-fit-e-resulta/attachment/387765  

Dina Raquel João

Dina Raquel João, nutricionista, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas nº0204N, mestre em nutrição clínica pela Universidade  do Porto. Iniciou a sua atividade profissional em 2001 e, atualmente, além de exercer prática clínica em consultório privado e em meio hospitalar, a su (...)