Ansiedade, humor, os níveis de GABA no cérebro e o yoga

A atividade reduzida do sistema GABA (sigla inglesa para Gamma-AminoButyric Acid) ou do Ácido gama-aminobutírico tem-se verificado nos distúrbios do humor e nos transtornos da ansiedade.

O Ácido gama-aminobutírico (GABA) é responsável pela regulação da excitabilidade neuronal no sistema nervoso e na regulação do tônus muscular.

A prática de posturas de yoga foi associada ao aumento dos níveis de GABA no cérebro, num estudo publicado em 2007. Em 2010, outro estudo tentou perceber de que modo a prática de posturas de yoga está associada ao aumento dos níveis cerebrais de GABA, dos níveis de humor e na diminuição dos níveis de ansiedade.

Pretendeu-se ainda determinar, se estes efeitos seriam específicos para a prática do yoga ou se também se poderiam relacionar com a atividade física em geral.

A seleção dos candidatos para esta pesquisa foi aleatória e dividiram-se os participantes em dois grupos. A atividade consistia na prática de yoga, ou em caminhadas, 3 vezes por semana, durante 60 minutos. Foram criadas as condições para metabolicamente, quer a prática de yoga quer as caminhadas, terem valores semelhantes. Os participantes foram monitorizados nas semanas 0, 4, 8 e 12.

No final das 12 semanas, o estudo concluiu que os praticantes de yoga apresentaram níveis mais elevados de humor e uma diminuição dos níveis de ansiedade, relativamente ao grupo que realizou caminhadas. O grupo de yoga também apresentou uma correlação positiva entre o aumento dos níveis GABA e a melhoria do humor e da ansiedade.

Como professora de yoga, a minha experiência pessoal, ao longo dos anos, tenho observado que o aluno que pratica de forma regular e consciente, tende a abandonar estados de tristeza e ansiedade, procurando muitas vezes libertar-se da medicação prescrita para o efeito. Quando se pratica yoga percebe-se com facilidade que os níveis de humor se mantêm constantes e os picos de angustia ou euforia deixam de existir.

O yoga, ajuda a incrementar os níveis de autoestima e de autoaceitação. Ajuda a relativizar os acontecimentos, levando o praticante a encontrar equilíbrio na forma de estar. De facto, os acontecimentos só têm a importância que cada um lhes atribui. E o que para uma pessoa pode ser um drama, para outra pode ser apenas mais um acontecimento de vida.

Embora o artigo refira que o estudo baseou-se no método Iyengar, considero que o método não é relevante. Isto porque, entendo que a aproximação a um método de yoga, por parte do praticante, depende da empatia com o professor e depende sobretudo da personalidade do aluno, em ter mais curiosidade por um método do que por outro. Além disso, independentemente do método, os objetivos da prática de yoga são: o autoconhecimento físico e psicológico. A aceitação daquilo que se é, saber viver com o que há, e aceitar o que surge com equanimidade. A prática das posturas, a respiração, a meditação, as práticas base de uma aula de yoga, abrem caminho à descoberta disto mesmo.

Pratique yoga e experiencie os amplos benefícios que pode alcançar.

Referências:Streeter, C. C., Whitfield, T. H., Owen, L., Rein, T., Karri, S. K., Yakhkind, A., … & Jensen, J. E. (2010). Effects of yoga versus walking on mood, anxiety, and brain GABA levels: a randomized controlled MRS study. The Journal of Alternative and Complementary Medicine16(11), 1145-1152. Créditos da imagem: Aaron Heifer 

Alexandra Pereira

Alexandra Pereira é professora de yoga certificada pela Asociación Internacional de Profesores de Yoga Sananda (AIPYS), Espanha 2000. Licenciada em Filosofia (FLUP 1988) tem o Curso de osteopatia do Instituo Biomédico Hygea de Espanha (2005). Exerce a sua atividade profissional como professora (...)