Prevenção do cancro: as causas evitáveis

Share on Facebook26Share on Google+0Tweet about this on Twitter2

Um estilo de vida saudável contribui para evitar cerca de um terço dos casos de cancro, pelo que a adoção de medidas preventivas é fundamental para reduzir o número de novos casos (incidência). Assim, na prevenção do cancro, pode-se falar na existência de causas evitáveis da doença.

Em Portugal, a doença oncológica é uma das principais causas de morte. A incidência do cancro está a aumentar anualmente em cerca de 3%. Existem vários fatores de risco para o aparecimento de cancro, os quais podem ser controlados, reduzindo-se o risco da doença. Entre essas causas evitáveis, estão o consumo do tabaco, a obesidade, maus hábitos alimentares e a inatividade física.

Causas evitaveis de cancroTabaco

O tabaco é causa principal de cancro e de mortes por cancro, seja através do consumo direto, seja como fumador passivo. Estima-se que, aproximadamente, 33% dos diagnósticos de doença oncológica sejam atribuíveis ao tabaco.

O consumo de tabaco está associado a vários tipos de cancro, incluindo: pulmão, laringe, boca, esófago, faringe, bexiga, rim, fígado, estômago, pâncreas, cólon e reto e cérvix, bem como leucemia mielóide aguda.

Hábitos Alimentares

Vários estudos têm investigado a possibilidade de alguns componentes da dieta estarem associados ao aumento ou à diminuição do risco de cancro. Todavia, a maioria dos estudos populacionais ainda não mostrou o efeito de algum desses componentes como sendo causa ou proteção contra o cancro. Os resultados demonstram apenas que o efeito pode estar associado a uma alteração no risco. Quando esta situação se verifica, é necessário o desenvolvimento de estudos randomizados que testem essa possibilidade.

Entre os componentes estudados, encontram-se a acrilamida, o álcool, antioxidantes, adoçantes artificiais, cálcio, carne carbonizada, as crucíferas, flúor, alho, chá e vitamina D.

De acordo com estudos realizados, cerca de 5% de todos os diagnósticos de cancro são atribuídos a maus hábitos alimentares.

Obesidade

Indivíduos obesos podem ter um risco aumentado de diversos tipos de cancro, nomeadamente carcinoma da mama em mulheres pós-menopausa, cancro colo-retal, do endométrio, esófago, rins, pâncreas e vesícula biliar.

Estima-se que cerca de 20% dos diagnósticos resultam de situações de excesso de peso ou obesidade.

Inatividade Física

A inatividade física está associada a, aproximadamente, 5% dos diagnósticos de cancro, existindo evidência consistente que se relaciona com um maior risco de carcinoma da mama, colo-retal e do endométrio.

Fontes de informação: Serviço Nacional de Saúde – www.sns.gov.pt ; National Cancer Institute – www.cancer.gov ; American Institute for Cancer Research – www.aicr.org ; Fontes de imagens: imagem adaptada de https://m.facebook.com/AmericanInstituteforCancerResearch/photos/a.269078109780070.67692.107761702578379/1703965146291352/?type=3 ; http://slideplayer.com.br/slide/1260486/

Dina Raquel João

Sobre Dina Raquel João

Dina Raquel João, nutricionista é mestre em nutrição clínica pela Universidade do Porto. Além da atividade de docência, exerce nutrição clínica em regime de clínica privada e dedica-se sobretudo à intervenção nutricional no doente oncológico.