Cancros da mama e próstata: plantas/suplementos aliviam afrontamentos?

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter

Os afrontamentos e os suores noturnos são muito comuns em doentes e sobreviventes de cancro da mama e da próstata. No primeiro tipo de cancro, os afrontamentos podem ser causados pela menopausa química. No segundo, no cancro da próstata podem ser devidos a orquiectomia ou ao tratamento hormonal.

Concomitantemente, alguns fármacos também estão associados ao aparecimento de afrontamentos e de suores noturnos, como o tamoxifeno, os inibidores da aromatase, os opióides, os antidepressivos tricíclicos e os esteróides.

Compostos mais estudados no alívio dos afrontamentosAfrontamentos

Para tentar reduzir os afrontamentos, os doentes recorrem, muitas vezes, às plantas, através de tisanas, e a suplementos alimentares. No entanto, a atividade da maioria destas substâncias ainda não foi estudada no organismo, bem como, para a grande parte, não foram realizados ensaios clínicos rigorosos que permitam tirar conclusões com fundamentação científica. Os compostos mais estudados são: a soja, a Erva de São Cristóvão também conhecida por Acteia (Cimicifuga racemosa), a vitamina E e a linhaça.

No que diz respeito aos suplementos de soja têm sido objeto de interesse na redução dos sintomas de menopausa e de cancro da mama. Este interesse surgiu da associação entre uma dieta rica em soja e a redução de sintomas da menopausa ou de cancro da mama na Ásia.

A soja contém isoflavonas, flavonóides com uma estrutura semelhante aos estrogénios, podendo ter efeitos idênticos aos de estas hormonas. São, por isso, fitoestrogénios. Não existe consenso acerca da segurança das isoflavonas no cancro da mama. Em algumas células, parecem contribuir para o desenvolvimento e proliferação da doença, aumentando o risco de recorrência da doença. Noutras, parecem bloquear os efeitos estrogénicos, contribuindo para a morte dessas células cancerígenas.

Por outro lado, não há evidência do benefício e utilidade da soja na redução dos afrontamentos. A maioria dos estudos mostra que o efeito da soja não é melhor do que o efeito das substâncias de controlo, usadas como placebo, portanto sem efeito terapêutico.

Da mesma forma, os estudos randomizados controlados efetuados com a Erva de São Cristóvão/Acteia mostraram não haver efeito na redução dos afrontamentos e superior ao do placebo.

Quanto à vitamina E, existe evidência de apresentar uma ligeira melhoria no alívio dos afrontamentos, comparativamente à substância de controlo.

A linhaça é fonte de linhanos, um fitoestrogénio, tal como as isoflavonas. Na sequência de dados preliminares acerca de um possível efeito benéfico da linhaça nos afrontamentos, foi efetuado um estudo piloto com 30 mulheres para avaliar o efeito de 40 gramas desta semente na diminuição dos afrontamentos. Este trabalho mostrou uma redução em 57% na intensidade deste sintoma e de 50% na frequência dos mesmos. Todavia, um ensaio randomizado que envolveu 188 mulheres não mostrou qualquer benefício da linhaça (dose correspondente a 410 mg de linhanos), comparativamente ao placebo.

Afrontamentos e a sua relação com outros compostos

Outras plantas e produtos naturais são comercializados com a indicação de serem úteis no alívio dos afrontamentos. Alguns destes produtos são fitoestrogénios e alguns têm propriedades desconhecidas. Como exemplos, têm-se a dong quai (angélica-chinesa), o cardo mariano, o trevo vermelho, o alcaçuz ou regaliz e o Vitex agnus-castus. O conhecimento acerca destas plantas é ainda insuficiente, pelo que se desconhece se a sua toma pode ou não influenciar o risco de recorrência de cancro da mama, tanto de uma forma positiva como negativa.

Alguns dados científicos sugerem que estas plantas têm efeitos diferentes, dependentes da dose usada e do estado hormonal das mulheres, aquando a toma. Muito pouco se sabe acerca destas plantas/produtos, pelo que deve ser tida atenção ao seu consumo.

Referências: Barton DL et al. Prospective evaluation of vitamin E for hot flashes in breast cancer survivors. J Clin Oncol. 1998; 16 (2): 495-500. Carpenter JS et al. Hot flashes in postmenopausal women treated for breast carcinoma: prevalence, severity, correlates, management, and relation to quality of life. Cancer. 1998; 82 (9): 1682-91. Lau CB et al. Use of dong quai (Angelica sinensis) to treat peri- or postmenopausal symptoms in women with breast cancer: is it appropriate? Menopause. 2005; 12 (6): 734-40. Lethaby AE et al. Phytoestrogens for vasomotor menopausal symptoms. Cochrane Database Syst Rev (4): CD001395, 2007. Liu J et al. Evaluation of estrogenic activity of plant extracts for the potential treatment of menopausal symptoms. J Agric Food Chem. 2001; 49 (5): 2472-9. Newton KM et al. Treatment of vasomotor symptoms of menopause with black cohosh, multibotanicals, soy, hormone therapy, or placebo: a randomized trial. Ann Intern Med. 2006; 145 (12): 869-79. Pockaj BA et al. Phase III double-blind, randomized, placebo-controlled crossover trial of black cohosh in the management of hot flashes: NCCTG Trial N01CC1. J Clin Oncol. 2006; 24 (18): 2836-41. Pruthi S et al. Pilot evaluation of flaxseed for the management of hot flashes. J Soc Integr Oncol. 2007; 5 (3): 106-12. Pruthi S et al. A phase III, randomized, placebo-controlled, double-blind trial of flaxseed for the treatment of hot flashes: North Central Cancer Treatment Group N08C7. Menopause. 2012; 19 (1): 48-53. Tamir S et al. Estrogenic and antiproliferative properties of glabridin from licorice in human breast cancer cells. Cancer Res. 2000; 60 (20): 5704-9. Fonte de imagens: http://arevistadamulher.com.br/viver-bem/content/931907-o-que-e-a-fitoterapia; https://www.bancodasaude.com/noticias/afrontamentos-podem-indicar-maior-risco-de-doenca-cardiaca

Dina Raquel João

Sobre Dina Raquel João

Dina Raquel João, nutricionista é mestre em nutrição clínica pela Universidade do Porto. Além da atividade de docência, exerce nutrição clínica em regime de clínica privada e dedica-se sobretudo à intervenção nutricional no doente oncológico.