Dia Mundial da Alimentação 2017: investir no futuro

Share on Facebook26Share on Google+0Tweet about this on Twitter

Mudar o futuro da migração. Investir na segurança alimentar e no desenvolvimento rural” é o tema proposto para o dia mundial da alimentação de 2017. O assunto serve de inspiração para que possamos seguir o rumo de um futuro sustentável.

Dia Mundial da Alimentação 2017, rumo a um futuro sustentável

O objetivo mundial de alcançar a Fome Zero em 2030 não pode ser atingido sem a interligação do campo da segurança alimentar, do desenvolvimento rural e da migração.

Durante a Cimeira das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável 2015 em Nova Iorque, 193 países comprometeram-se a acabar com a pobreza e a fome, proteger o planeta e assegurar a prosperidade para todos. Um ano depois, as Nações Unidas realizaram uma Cimeira sobre Refugiados e Migrantes. Todos os participantes decidiram trabalhar num Pacto Mundial para uma migração segura, ordenada e regular, a ser adotado em 2018. O Pacto Mundial sobre a Migração tem o objetivo de abordar todas as dimensões da migração internacional, inclusive as humanitárias, de desenvolvimento e as relacionadas com os direitos humanos.

“O mundo está em constante movimento. Atualmente devido ao aumento de conflitos e instabilidade política, mais do que em qualquer momento, mais pessoas foram forçadas a fugir das suas casas desde a Segunda Guerra Mundial. No entanto, a fome, a pobreza e um aumento de eventos climáticos extremos, devido às mudanças climáticas, são outros fatores importantes que contribuem para o desafio de migração. Os grandes movimentos de população apresentam desafios complexos que requerem uma ação global. Muitos migrantes chegam a países em vias de desenvolvimento, onde os recursos já são escassos, criando tensões. Os indicadores da ONU mostram que há, aproximadamente 244 milhões de migrantes internacionais, enquanto 763 milhões migram dentro de seus próprios países. Se os 244 milhões constituíssem uma nação, estaria mais povoada do que o Brasil e seria um pouco menor que a Indonésia. Há 65 milhões de migrantes forçados, dos quais 21,3 milhões são refugiados, 40,8 milhões são pessoas deslocadas internamente e 3,2 milhões são solicitantes de asilo. Três quartos das pessoas em situação de extrema pobreza suportam a sua subsistência na agricultura e outras atividades rurais.

Ao investir no desenvolvimento rural, a comunidade internacional também pode aproveitar o potencial de migração para apoiar o desenvolvimento e aumentar a resiliência das comunidades de acolhimento e deslocados, lançando assim as bases para a recuperação a longo prazo com um crescimento inclusivo e sustentável. O trabalho da FAO tem por objetivo abordar as causas profundas da migração devido a situações de dificuldade, melhorando as condições, criando oportunidades alternativas de subsistência nos países de origem e aproveitando o potencial de desenvolvimento da migração para os países de origem e destino.

Dia Mundial da alimentação 2017, a migração e os objetivos de desenvolvimento sustentável

A migração passou a ocupar um lugar preponderante nos debates internacionais sobre o desenvolvimento social e económico. Mas a migração faz parte do comportamento humano há séculos. O que mudou? A melhoria do transporte e das comunicações facilitou a que muitas pessoas saíssem das suas cidades e dos seus países. Mas, para outros, a migração continua a ser uma atividade custosa, árdua fisicamente e às vezes mortal. Em 2015, mais de 65 milhões de pessoas foram deslocadas à força em consequência de conflitos e perseguição e mais de 19 milhões de pessoas foram deslocadas internamente devido a desastres naturais. Entre 2008 e 2015, uma média de 26 milhões de pessoas deslocaram-se, em cada ano, devido a desastres climáticos ou relacionados com eventos meteorológicos extremos.

Se for gerida de maneira humana e ordenada, a migração pode contribuir para o crescimento económico, tanto nos países de destino como nos de origem. Os migrantes podem proporcionar novas fontes de mão-de-obra nos seus países ou nas regiões de destino.

O Dia Mundial da Alimentação 2017 representa uma importante oportunidade para difundir esta mensagem: podemos acabar com a fome e tornarmo-nos na Geração Fome Zero, mas é necessário que todos trabalhemos juntos para alcançar este objetivo.

O vídeo promocional da FAO sobre a temática deste ano reforça a ideia de que a migração devia ser uma escolha.


Fonte da informação: Adaptação do texto acedido em http://www.fao.org/portugal/pt/ Créditos imagem:WFD2017_Brochure_PT_Website.pdf

Sofia Costa

Sobre Sofia Costa

Sofia Costa é licenciada em Nutrição Humana e Qualidade Alimentar da Escola Superior Agrária de Castelo Branco. No futuro, gostaria de integrar um projeto que ajudasse a combater a fome no Mundo. Colabora ativamente no Stop Cancer Portugal desde abril de 2014.