Dia Mundial da Obesidade 2017: atuar agora para tratar e prevenir

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter

A obesidade é agora mais comum do que a subnutrição. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam para cerca de 2 bilhões de adultos com excesso de peso. Desses, 670 milhões são considerados obesos (IMC ≥ 30 kg/m²) e 98 milhões têm obesidade severa (IMC ≥ 35 kg/m²). Se as tendências atuais continuarem, será a maior epidemia de sempre na história da humanidade: 2.7 bilhões de adultos terão excesso de peso, mais de 1 bilhão afetados pela obesidade e 177 milhões de adultos gravemente afetados pela obesidade até 2025.

Também as crianças em idade escolar estão acima do peso, cerca de 224 milhões de crianças, tornando esta geração a primeira a ter uma vida útil mais curta do que os seus pais.

Tratar a obesidade agora e evitar as consequências mais tarde

Investir na prevenção, gestão e tratamento da obesidade é uma ação económica para governos e serviços de saúde. O investimento nesta área pode ajudar a atingir os objetivos de 2025 estabelecidos pela OMS para travar o aumento e alcançar uma redução relativa de 25% na mortalidade por doenças não transmissíveis.

1º Atuar agora: investir em serviços de tratamento da obesidade e apoiar as pessoas obesas.

Para enfrentar a obesidade, é vital que todos os que procuram tratamento tenham acesso aos melhores serviços disponíveis. Os serviços de tratamento em todo o mundo devem ser fortalecidos. Isso exigirá:

  • reconhecer que a obesidade é uma doença, para a qual é necessária suporte profissional adequado
  • acesso universal, cobertura do seguro de saúde para tratamentos relacionados com a obesidade
  • cuidados de saúde facilitados para pessoas afetadas pela obesidade
  • equipas multidisciplinares para apoiar o tratamento da obesidade
  • acesso a produtos farmacêuticos e dispositivos médicos, apropriados às necessidades individuais
  • serviços abrangentes de acompanhamento.

2º Atuar agora: investir na intervenção precoce para melhorar o sucesso do tratamento.

Todos os que procuram apoio para o controlo do peso devem ter acesso a intervenções antecipadas. Intervenção precoce significa investir em:

  • diretrizes nacionais para o atendimento das pessoas afetadas pelo excesso de peso e pela obesidade, particularmente as populações vulneráveis
  • consulta de cuidados de saúde primários livremente disponíveis
  • profissionais de saúde treinados para evitar o aumento de peso
  • serviços para gestão do peso em grupo e individualmente
  • suporte pessoal, familiar, escolar e no local de trabalho
  • acesso universal a serviços de assistência contínua para apoiar as pessoas com obesidade.

3º Atuar agora: investir na prevenção para reduzir a necessidade de tratamento.

Prevenir o aumento de peso é essencial para atingir os objetivos de 2025 propostos pela OMS e também são importantes para garantir que o tratamento da obesidade seja efetivo. Na prevenção da obesidade é necessário incluir:

  • educação para garantir suporte para a criação de ambientes saudáveis
  • melhorar a oferta de alimentos locais para garantir um acesso fácil a alimentos saudáveis ​​acessíveis
  • mais locais que apoiem o lazer e a mobilidade ativa (a pé, de bicicleta, skate, trotinete)
  • intervenção do mercado alimentar para apoiar e melhorar as escolhas alimentares
  • promoção da saúde ao longo da vida para proteger a saúde das gerações atuais e futuras.

As proporções pandémicas da obesidade que se avizinham, têm consequências conhecidas que irão impor encargos sanitários, financeiros e sociais sem precedentes sobre a sociedade global, a menos que ações efetivas sejam tomadas para reverter a tendência.

Fonte da informação: http://www.worldobesity.org/who-we-are/; Créditos das imagens: Illustration of Steve Cutts accessed at https://imgur.com/gallery/mtLd4

Sofia Costa

Sobre Sofia Costa

Sofia Costa é licenciada em Nutrição Humana e Qualidade Alimentar da Escola Superior Agrária de Castelo Branco. No futuro, gostaria de integrar um projeto que ajudasse a combater a fome no Mundo. Colabora ativamente no Stop Cancer Portugal desde abril de 2014.