O yoga na doença oncológica: simples curiosidade levou a menos ansiedade

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter

A prática de yoga e os seus benefícios durante uma doença oncológica é hoje muito referida. Por isso, foram recolhidos alguns testemunhos sobre esta temática para dar a conhecer opiniões de pessoas que praticam ou praticaram regularmente yoga.

O testemunho de Irene

Chamo-me Irene, tenho 45 anos e quero partilhar a minha experiência com o yoga.

Em 2007, comecei a praticar yoga por curiosidade e por sugestão de amigos já praticantes. Em outubro de 2008, interrompi a prática de yoga devido a ter-me sido diagnosticado cancro na mama, o que implicou cirurgia e tratamentos de quimioterapia.

Voltei a frequentar as aulas de yoga três meses depois dos tratamentos terminarem, não só para me sentir melhor com o meu corpo, mas também para recuperar a minha forma física e equilíbrio mental.

Em 2011 interrompi de novo a prática de yoga, para realizar uma cirurgia de reconstrução mamária, o que de novo implicou um tempo de paragem mais longo.

Assim que me senti apta, voltei à prática embora inicialmente com algumas limitações em certas posturas. Essas limitações deveram-se à necessidade da pele e dos músculos precisarem de tempo, para se fortalecerem e alongarem da mesma forma que o lado não intervencionado. Com o decorrer do tempo fui praticando sem qualquer tipo de limitação, sentindo todos os benefícios que o yoga me traz.

No verão de 2015 foram-me diagnosticadas metástases no cérebro. Encontro-me desde essa altura em nova fase de tratamentos de radioterapia e quimioterapia. Assim que for possível quero voltar.

Apesar de não praticar yoga durante os períodos de tratamento, sinto que o yoga me ajudou a ter controlo sobre a ansiedade, através da meditação e das técnicas de respiração. Também com estas técnicas, sei que sou capaz de ter um maior controlo sobre o meu corpo, sobretudo ao nível da dor física.

O yoga ensinou-me a compreender melhor o meu corpo, no modo como me movo e a colocar o corpo em posições antiálgicas, por exemplo ao tentar pegar em objetos. Portanto, considero o yoga, uma ferramenta muito útil na aceitação da doença, no controlo da minha ansiedade sobretudo durante a realização de exames ao longo da minha doença.

Créditos da imagem: http://londonlondonstudio.blogspot.pt/
Alexandra Pereira

Sobre Alexandra Pereira

Alexandra Pereira é professora de yoga certificada pela Asociación Internacional de Profesores de Yoga Sananda (AIPYS). Acredita que a prática de yoga pode oferecer uma melhoria da condição física, mental e psicológica do praticante.