A vitamina D no tratamento do cancro

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter

A deficiência em vitamina D é comum em doentes oncológicos e relaciona-se com a progressão da doença.

Em estudos observacionais, o défice nesta vitamina está associado a um aumento da incidência de cancro da mama, do cólon e do pulmão. No entanto, esta carência não se reflete apenas no aumento do risco, uma vez que também está relacionada a um pior prognóstico, com maior mortalidade, em casos de linfoma não-Hodgkin e de cancro da mama e colo-retal, sendo mesmo um preditor independente da sobrevivência nos dois últimos.

Num estudo que acompanhou 512 mulheres com cancro da mama durante 12 anos, a deficiência em vitamina D foi associada à ocorrência de formas mais agressivas da doença. Além disso, o risco de metástases e a probabilidade de morte prematura devido à doença em mulheres com défice da vitamina estavam aumentados em 94% e 73%, respetivamente, em comparação com as doentes com níveis normais de vitamina D.

A suplementação com vitaminas e/ou minerais está presente em 30-90% dos doentes oncológicos, com ou sem indicação médica. Vários estudos têm mostrado evidência crescente de uma redução dos efeitos secundários dos tratamentos, uma menor taxa de abandono dos mesmos, um melhor prognóstico e uma maior qualidade de vida, quando alguns micronutrientes são prescritos. A administração de vitamina D no tratamento do cancro, quando adaptada à terapêutica oncológica em curso, tem vindo a ser bastante estudada, revelando ser um aspeto importante.

Vitamina D e os tratamentos oncológicos

vitamina d

Alguns fármacos usados em quimioterapia como os taxanos, as antraciclinas e a ciclofosfamida contribuem para uma deficiência em vitamina D e, eventualmente, para osteopenia ou osteomalácia. A deficiência na vitamina também pode contribuir para o aparecimento de mucosite e alterações do paladar, pelo que os fármacos referidos são ainda conhecidos por poderem desencadear esses sintomas, os quais podem ser ultrapassadas com a suplementação com vitamina D. Adicionalmente, a fadiga e as artralgias durante o tratamento com inibidores da aromatase (ex: letrozole) são menores com a suplementação com vitamina D, como concluiu um estudo realizado em doentes com cancro da mama. Por outro lado, em idosos com linfoma difuso de grandes células B tratados com rituximab, ciclofosfamida, doxorrubicina, vincristina e prednisolona, a deficiência em vitamina D é um fator de risco, já que se associa a piores prognósticos.

Além da quimioterapia, a vitamina D pode ser um adjuvante no tratamento de radioterapia, dado que parece minimizar os danos nos tecidos saudáveis irradiados.

A vitamina D está, ainda, envolvida na redução da caquexia, a qual pode atingir até 50% dos doentes oncológicos, sendo a causa de morte de até 30%. O nutriente pode afetar muitos dos fatores envolvidos nos mecanismos associados à caquexia, especialmente os associados à inflamação, suprimindo a ação dos mesmos.

Além do referido, a vitamina D regula o eixo hepcidina/ferroportina, o qual melhora a disponibilidade do ferro. Assim, também pode ter importância no tratamento da anemia provocada pelo cancro.

Num artigo de revisão publicado na Nutrients, os autores recomendam que os níveis de vitamina D devem ser avaliados em todos os doentes oncológicos e, em situações de défice, o mesmo deve ser corrigido através de suplementação. Esta situação aplica-se especialmente a doentes desnutridos, em tratamento com inibidores da aromatase, bifosfonatos e quimioterapia que inclua antraciclinas, taxanos e anticorpos monoclonais, bem como em casos de perturbações musculares ou das mucosas, fadiga, anemia e caquexia.

Referências: Abbas S, Linseisen J, Slanger T, Kropp S, Mutschelknauss EJ, Flesch-Janys D, Chang-Claude J. Serum 25-hydroxyvitamin D and risk of postmenopausal breast cancer — Results of a large casecontrol study. Carcinogenesis. 2008; 29: 93–99. Block KI, Koch AC, Mead MN, Tothy PK, Newman RA, Gyllenhaal C. Impact of antioxidant supplementation on chemotherapeutic toxicity: A systematic review of the evidence from randomized controlled trials. Int. J. Cancer. 2008; 123: 1227–1239. Churilla TM, Brereton HD, Klem M, Peters CA. Vitamin D deficiency is widespread in cancer patients and correlates with advanced stage disease: A community oncology experience. Nutr. Cancer. 2012; 64: 521–525. Drake MT, Maurer MJ, Link BK, Habermann TM, Ansell SM, Micallef IN, Kelly JL, Macon WR, Nowakowski GS et al. Vitamin D insufficiency and prognosis in non-Hodgkin’s lymphoma. J. Clin. Oncol. 2010; 28: 4191–4198. Gröber U, Holzhauer P, Kisters K, Holick MF, Adamietz IA. Micronutrients in oncological intervention. Nutrients. 2016; 8(3). pii: E163. doi: 10.3390/nu8030163. Gröber U, Kisters K, Adamietz IA. Vitamin D in oncology: Update 2015. Med. Monatsschr. Pharm. 2015, 38, 512–516. Maalmi  H, Ordóñez-Mena JM, Schöttker B, Brenner H. Serum 25-hydroxyvitamin D levels and survival in colorectal and breast cancer patients: Systematic review and meta-analysis of prospective cohort studies. Eur. J. Cancer. 2014; 50: 1510–1521. Mohr SB, Gorham ED, Kim J, Hofflich H, Garland CF. Meta-analysis of vitamin D sufficiency for improving survival of patients with breast cancer. Anticancer Res. 2014; 34: 1163–1166. Nechuta S, Lu W, Chen Z, Zheng Y, Gu K, Cai H, Zheng W, Shu XO. Vitamin supplement use during breast cancer treatment and survival: A prospective cohort study. Cancer Epidemiol. Biomark. Prev. 2011; 20: 262–271. Printz C. High vitamin D levels increase survival rates in patients with metastatic colorectal cancer. Cancer. 2015; 121: 2105. Ströhle A, Zänker K, Hahn A. Nutrition in oncology: The case of micronutrients (review). Oncol. Rep. 2010; 24: 815–828. Yin L, Grandi N, Raum E, Haug U. Meta-analysis: Longitudinal studies of serum vitamin D and colorectal cancer risk. Aliment. Pharmacol. Ther. 2009; 30: 113–125. Zirpoli GR, Brennan PM, Hong CC, McCann SE, Ciupak G, Davis W, Unger  JM, Budd GT, Hershman DL, Moore HC et al. Supplement use during an intergroup clinical trial for breast cancer (S0221). Breast. Cancer Res. Treat. 2013; 137: 903–913. Fontes de imagens: http://www.ezyhealth.com/magazine/vitamin-d/; http://www.medscape.com/viewarticle/847580

Dina Raquel João

Sobre Dina Raquel João

Dina Raquel João, nutricionista é mestre em nutrição clínica pela Universidade do Porto. Além da atividade de docência, exerce nutrição clínica em regime de clínica privada e dedica-se sobretudo à intervenção nutricional no doente oncológico.