Máquinas de café: excelente meio para o desenvolvimento de bactérias

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter

As máquinas de café são um meio excelente para o desenvolvimento de bactérias. É uma descoberta recente de um grupo de investigadores que analisou os reservatórios das cápsulas usadas e dos resquícios de café de diferentes máquinas.

Atualmente há máquinas de café acessíveis nos locais onde passamos a maior parte do tempo: em casa, no escritório, nas salas de espera de alguns estabelecimentos. Elas estão em todo o lado.

Um estudo publicado no jornal Scientific Reports, de um grupo de microbiologistas da Universidade de Valência, em Espanha, analisou os reservatórios das cápsulas usadas e dos resquícios de café de dez máquinas do tipo cápsula. Verificaram, então, que existiam entre 35 a 67 géneros de bactérias diferentes nos reservatórios de cada uma das máquinas, incluindo estirpes patogénicas, ou seja, bactérias nocivas para a nossa saúde.

Crescimento bacteriano nas máquinas de café

As bactérias parecem prosperar nas altas temperaturas e na própria composição química que existe quando se faz um café. Nem o comportamento do utilizador, o tipo de café ou mesmo a frequência de utilização das máquinas pareceu afetar a composição das bactérias presentes.

A cafeína é considerada antimicrobiana. Contudo, os resultados mostraram que um dos géneros de bactérias mais prevalente é a Pseudomonas, justamente um dos poucos exemplos de uma estirpe de bactérias capaz de degradar a cafeína. De acordo com os investigadores, um estudo mais aprofundado nesse âmbito poderia ajudar os cientistas a descobrir como utilizar bactérias para a descontaminação das águas residuais pelo café.

A máquina de café não será um meio tão tóxico como, por exemplo, a esponja de lavar a loiça mas a verdade é que as bactérias adoram ambientes quentes e húmidos e a máquina de café é um dos sítios da cozinha onde elas prosperam.

Claro que existem cuidados ao nosso alcance que podem minimizar esta situação. Uma lavagem semanal dos reservatórios das cápsulas usadas e dos resquícios de café com água morna, detergente e umas gotas de lixívia é uma solução simples e eficaz. Assim, será possível diminuir o número de bactérias para valores muito baixos, tornando-os inócuos para a saúde pública.

Fonte da informação: texto adaptado de Quartz, dezembro de 2015 em: http://qz.com/564102/your-coffee-maker-is-a-bacterial-breeding-ground/;Créditos da imagem: Andrés Nieto Porras from Palma de Mallorca, España
Cristina Ferrão

Sobre Cristina Ferrão

Cristina Ferrão é licenciada em Nutrição Humana e Qualidade Alimentar na Escola Superior Agrária de Castelo Branco. Acredita na divulgação do conhecimento com bases científicas, como meio de promover a saúde e ajudar a população a adotar um estilo de vida saudável.