Introdução do iogurte e leite na alimentação do bebé

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter

Actualmente existem variadíssimos documentos orientativos e fundamentados acerca da introdução alimentar no primeiro ano de vida. No entanto, verificamos divergência nas opiniões entre pediatras, enfermeiros e nutricionistas, acerca do “timing” da introdução de alguns alimentos, nomeadamente da introdução do iogurte.

Por definição, o iogurte é o produto coagulado obtido por fermentação láctica devido à acção exclusiva do Lactobacillus delbrueckii subsp. bulgaricus e do Streptococcus thermophilus sobre o leite e produtos lácteos (…) devendo a flora específica estar viva e abundante no produto final.

O iogurte é alimento completo, com proteínas de alto valor biológico, vitaminas e minerais de entre os quais o cálcio e as suas particularidades condicionam uma melhor absorção deste mineral, bem como uma ausência dos efeitos adversos característicos do leite em crianças com intolerância à lactose.

A importância do cálcio na alimentação do bebé

O cálcio é necessário à formação óssea, à manutenção no desgaste ósseo, à contracção muscular e aos impulsos nervosos. O suprimento em cálcio é suficiente no primeiro ano de vida dado que a base da alimentação é láctea. Se houver modificação nas recomendações na ingestão de cálcio será no sentido da diminuição ligeira do aporte como já foi proposto. O leite ou o iogurte não devem acompanhar as refeições ricas em ferro, do almoço e do jantar.

Geralmente, o conteúdo de proteínas do iogurte é maior do que o do leite, devido à adição de leite desidratado durante o processamento, por isso é mais facilmente digerida devido à acção proteolítica das culturas lácteas e do tratamento térmico, que promove a coagulação das proteínas do leite. Possui um papel pré e probiótico, protege de infeções intestinais e regulariza a flora bacteriana.

O leite de vaca na sua natureza não deve ser introduzido antes dos 12 meses. Introduz-se entre os 24 e 36 meses, preferencialmente. Por ser rico em gorduras saturadas e pobre em ácidos gordos insaturados, é de difícil digestão e alergénio. No entanto, devido às características do iogurte é possível a sua introdução aos 9 meses num lanche, em alternativa ao leite ou papa. Deve ser natural, sem aromas nem quaisquer aditivos de açúcar (os adocicados) ou de natas (os cremosos).

Referências: Portaria nº 742/92 de 24 de Julho; Valor nutricional do iogurte. Colecção E-books APN: N.º 28, Maio de 2013; Acta Pediátrica Portuguesa. Vol. 43, n.º 5 Setembro / Outubro 2012 Suplemento II.

Marisa Figueiredo

Sobre Marisa Figueiredo

Marisa Figueiredo é nutricionista e mestre em Nutrição Clínica, pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz. É doutoranda na Faculdade de Medicina de Lisboa no curso de Doenças Metabólicas e de Comportamento Alimentar. Dedica o seu trabalho à nutrição clínica, no adulto e na criança, com particular interesse pela alimentação e saúde infantil. A prevenção começa in útero.