Cada vez mais o stresse ataca a saúde

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter

Um dos maiores agentes ativadores de doenças é o stresse. O stresse não causa apenas nervosismo, síndrome do pensamento acelerado ou sensação de fadiga. Ele é o principal responsável por uma série de perturbações orgânicas e doenças, em especial as inflamatórias e as infeciosas.

O stresse pode ser psicológico, físico e social. O primeiro relaciona-se mais com o íntimo e a psique do indivíduo, destacando-se o stresse emocional de que a experiência negativa da solidão e o sentimento de desamparo são bons exemplos. O segundo é de natureza mais orgânica e ligado à fadiga corporal devida, por exemplo, a prolongada exposição a uma fonte de ruído. O terceiro resulta das interações sociais negativas que levam a ruturas, desentendimentos, abandono, divórcio, desconsideração, etc.

Do mesmo modo que cada tipo de stresse apresenta sintomas próprios também os seus efeitos variam. Por exemplo, enquanto o stresse psicológico, muito marcado por emoções de sinal negativo, pode tornar-se crónico e colocar a pessoa num estado mais suscetível a infeções, o stresse social parece tornar o organismo mais exposto a inflamações, incluindo as que provocam o cancro.

Outra diferença reside nas reações devidas ao stresse agudo e ao stresse crónico. Enquanto o primeiro pode ativar a imunidade celular e agravar certos tipos de alergias cutâneas, o stresse crónico, pela sua extensão temporal, é geralmente imunossupressor, isto é, diminui as defesas do organismo.

Um dos maiores agentes ativadores de doenças é o stresse. O stresse não causa apenas nervosismo, síndrome do pensamento acelerado ou sensação de fadiga. Ele é o principal responsável por uma série de perturbações orgânicas e doenças, em especial as inflamatórias e as infeciosas.

Nelson S. Lima

Sobre Nelson S. Lima

Professor Universitário e Investigador de Mental Performance (Inglaterra e Brasil). Conferencista sobre Saúde, Longevidade e Desenvolvimento. Formação superior em Neuropsicologia e Hipnologia Médica. Colaborou no Stop Cancer Portugal entre dezembro de 2012 e julho 2015. Por indicação do autor, os seus textos não obedecem ao novo acordo ortográfico.  


  Lecturer, researcher and writer of Science and Technology. Pro-Rector and teacher of Neuroscience at the University of the Future (Brazil and England). Registered in the British Science Writers Association (ABSW) and member of the Association for Psychological Science since 2001. Commissioner of Education Quality Accreditation Commission. Regular collaborator in several periodic publications. Collaborator member in the Stop Cancer Portugal since December 2012.