O Relógio da Vida: compreender os ritmos biológicos

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter

O tempo sujeita o corpo aos seus caprichos e aquele funciona de acordo com ritmos. Mas o que é isso de “ritmos biológicos“? Um ritmo é uma variação periódica de algo no tempo. Por exemplo, o ritmo do coração é um bom exemplo. Em média e numa situação de repouso o coração humano bate cerca de 70 vezes por minuto. Já de noite ou em estado induzido de relaxamento (através da meditação ou de medicamentos) esse ritmo pode descer até 50 pulsações por minuto.

Um ritmo tem várias características, a saber:

  1. período – é o espaço de tempo entre dois eventos regulares (por exemplo, as batidas do coração); o período dos ritmos corporais mede-se em segundos, minutos, 24 horas, 28 dias, um ano, etc.); o chamado “ritmo circadiano” é o mais estudado – representa o espaço de tempo de 24 horas em que ocorre a alternância dia e noite; existe também o “ritmo circamensal” (cerca de 28 dias) e o “ritmo circanual” (cerda de um ano);
  2. fase – é o ponto mais elevado ou mais baixo de uma variação; a “acrofase” é a fase mais elevada (ou pico de uma atividade corporal) e a “batifase” indica o valor mais baixo de um ritmo;
  3. amplitude – é a diferença entre os valores mais baixos e mais altos obtidos durante cada período;
  4. nível médio do ritmo – dá-nos a média do ritmo após várias verificações; esta análise é importante na prática médica nomeadamente quanto à administração de medicamentos e suas dosagens.

Alguns exemplos são suficientemente esclarecedores. Sabia que o ser humano foi programado para nascer às 4 horas (de madrugada) e na Primavera? Que o rendimento escolar é melhor conseguido entre as 10 e as 18 horas? Que os recordes de atletismo são mais viáveis durante o dia do que depois do anoitecer? Que o cérebro segue ritmos distintos conforme as suas regiões tal como acontece com as capacidades funcionais dos dois hemisférios (direito e esquerdo) que têm picos de atividade em horas diferentes?!

O nosso “relógio biológico” é controlado por uma estrutura nervosa no cérebro – o chamado núcleo supraquiasmático, localizado no hipotálamo anterior – que marca todas as funções do organismo, ditando os ritmos relacionados com a duração do dia (níveis de luz), da temperatura corporal, etc.

Nelson S. Lima

Sobre Nelson S. Lima

Professor Universitário e Investigador de Mental Performance (Inglaterra e Brasil). Conferencista sobre Saúde, Longevidade e Desenvolvimento. Formação superior em Neuropsicologia e Hipnologia Médica. Colaborou no Stop Cancer Portugal entre dezembro de 2012 e julho 2015. Por indicação do autor, os seus textos não obedecem ao novo acordo ortográfico.  


  Lecturer, researcher and writer of Science and Technology. Pro-Rector and teacher of Neuroscience at the University of the Future (Brazil and England). Registered in the British Science Writers Association (ABSW) and member of the Association for Psychological Science since 2001. Commissioner of Education Quality Accreditation Commission. Regular collaborator in several periodic publications. Collaborator member in the Stop Cancer Portugal since December 2012.