O uso de antibióticos em bebés pode conduzir à obesidade

Share on Facebook80Share on Google+0Tweet about this on Twitter0

Martin Blaser, microbiologista e investigador no departamento de microbiologia da Universidade de Medicina de Nova Iorque, dedicou muito da sua investigação à colonização e ao ecossistema bacteriano humano.

Do seu mais recente trabalho, surgiu o livro, Missing Microbes: How the Overuse of Antibiotics Is Fueling Our Modern PlaguesBactérias perdidas : como o uso excessivo de antibióticos alimenta as nossas pragas modernas.

O autor e a sua equipa, justificam neste trabalho o facto de, o uso prolongado de antibióticos em bebés e na primeira infância, poderem conduzir a um risco mais elevado para obesidade ao longo da vida.

Como resultado deste estudo, crianças que tomaram antibióticos antes dos seis meses de idade, foram mais propensos a desenvolver excesso de peso aos sete anos. Os autores explicam que, pequenas doses de penicilina podem alterar a flora bacteriana normal do intestino, o que por sua vez altera o metabolismo de uma forma permanente conduzindo à obesidade.

O ser humano é hospedeiro de várias populações de micróbios que vivem sobre a pele e intestino, transportando cerca de 100 triliões de bactérias. São na grande maioria não patogénicos, o que os torna fundamentais para o nosso bem-estar.

Estudos em ratos sugerem que os antibióticos não são diretamente responsáveis pelo ganho de peso em idade adulta, no entanto, são responsáveis pela eliminação de bactérias intestinais “boas” permitindo que as mais resistentes “más” prosperassem. Estas mudanças na composição da microbiota tiveram um impacto a longo prazo no metabolismo, que persistiu mesmo quando a população de bactérias intestinais voltou ao normal algumas semanas depois.

Quatro semanas de antibióticos foram suficientes para perturbar a microbiota e, mesmo quando esta voltou ao normal, os ratos continuaram obesos. Ratos que foram sujeitos ao uso de antibióticos no primeiro mês de vida eram 25% mais pesados e tinham 60% mais gordura do que os controles.

A perturbação da microbiota parece também exacerbar o efeito de uma dieta rica em gordura, já que os animais que tomaram antibióticos ganharam mais peso do que os que não tomaram. Por razões desconhecidas, os machos ganharam mais peso do que as fêmeas.

Naveed Sattar, professor de medicina metabólica na Universidade de Glasgow considera que, apesar dos resultados serem interessantes, os profissionais não deverão alterar a prática médica, e que o uso de antibióticos em crianças ou recém-nascidos deve ser dada em função das necessidades clínicas, e que as alterações no estilo de vida continua a ser o meio mais importante para combater a obesidade.

Referências: Cho I, Yamanishi S, Blaser MJ et al.. Antibiotics in early life alter the murine colonic microbiome and adiposity. Nature. 2012 August; 488(7413): 621–626. Giving antibiotics to babies may lead to obesity, researchers claim. [Online] The Guardian. Aug 2014. Disponivel em: http://www.theguardian.com/science/2014/aug/14/antibiotics-babies-toddlers-obesity-fat.

Marisa Figueiredo

Sobre Marisa Figueiredo

Marisa Figueiredo é nutricionista e mestre em Nutrição Clínica, pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz. É doutoranda na Faculdade de Medicina de Lisboa no curso de Doenças Metabólicas e de Comportamento Alimentar. Dedica o seu trabalho à nutrição clínica, no adulto e na criança, com particular interesse pela alimentação e saúde infantil. A prevenção começa in útero.